terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Green Book - Um Guia Para a Vida | Casa das Artes de Famalicão


Cinema Digital na Casa das Artes
Entrada: 2 EUROS/ Estudante e Cartão Quadrilátero Cultural: 1 euro
Green Book - Um Guia Para a Vida
15 de Março – 18h00 / 21h30 - GA

 EUA, 1962. Desempregado desde o encerramento da discoteca onde trabalhava como segurança, Tony Lip (Viggo Mortensen) está disposto a aceitar qualquer trabalho. Um dia, conhece Don Shirley (Mahershala Ali), um famoso pianista negro que procura alguém que, durante a digressão de oito semanas que está prestes a fazer pelo Sul do país, ocupe simultaneamente os cargos de motorista e de segurança. Mas o temperamento de cada um, diametralmente oposto, vai transformar aquela viagem num verdadeiro desafio. Com assinatura de Peter Farrelly ("Doidos por Mary"), uma comédia dramática estreada internacionalmente no Festival de Cinema de Toronto, foi também nomeado para cinco Oscares, tendo já arrecadado três Globos de Ouro: Melhor Filme de Comédia ou Musical, Melhor Actor Secundário (Ali) e Melhor Argumento Original.

Título original: Green Book (EUA, 2018, 130 min.)
Realização: Peter Farrelly
Interpretação: Viggo Mortensen, Mahershala Ali, Linda Cardellini
Classificação: M/12

Green Book is a American film directed by Peter Farrely starring by Mahershala Ali and Viggo Mortensen, set in the Deep South in the 1960s.

Josephine Foster | Casa das Artes de Famalicão.


Josephine Foster

Josephine Foster apresentar-se-á em formato quarteto, com a participação de Victor Herrero (guitarra eléctrica, portuguesa e clássica), Rosa Gerhards (baixo e vozes) e Josefin Runsteen (violino, percussão and voz).

Música

30 de fevereiro | sábado | 23h00 | Café concerto

Entrada: 3 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 1.5 Euros
M/6



Não é possível contar a história da folk norte-americana dos últimos 15 anos sem referir o nome de Josephine Foster. A sua extensa discografia pauta pela variedade: com as influências da ópera e do rock, do jazz e da música do sul de Espanha, a norte-americana construiu um som que é só seu – e é inconfundível. O seu mais recente disco, o duplo Faithful Fair Harmony, é apenas mais uma prova da vitalidade e beleza da sua proposta.

The folk singer Josephine Foster accompanied by a quartet of musicians.

Mazgani com Sean Riley | Casa das Artes de Famalicão.


Mazgani com Sean Riley

Música

30 de Março| Sábado | 21h30| Grande Auditório

Entrada: 10 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 5 Euros

M/6

Duração: 90 min

“Mazgani com Sean Riley” é um encontro entre dois amigos. Uma celebração da música e da amizade num palco tomado de assalto por Sean Riley (Afonso Rodrigues) e Shahryar Mazgani. O enredo é tecido pelos companheiros de longa data de Mazgani, Isaac Achega e Vítor Coimbra. Juntos partem numa viagem em que reinterpretam temas do repertório de ambos, injetando-lhes nova vida à luz da estética particular do projeto. “Mazgani com Sean Riley” é um uma experiência única onde dois cantores e compositores dão as mãos procurando mais uma vez o que sempre desejaram: tornar as suas canções maiores.

A concert that brings together Mazgani and Sean Riley, who will play themes of both careers.

Close-up – Observatório de Cinema de Vila Nova de Famalicão Episódio 3.2 – 26 e 30 de Março | Casa das Artes de Famalicão.


Close-up – Observatório de Cinema de Vila Nova de Famalicão

Episódio 3.2 – 26 e 30 de Março

O mais recente filme de João Salaviza e Renée Nader Messora é o destaque desta segunda réplica, que continua a apresentar produção da América Latina (em destaque em Outubro passado, ver www.closeup.pt) e a dialogar com escolas, com programação do 1.º ciclo ao ensino secundário:

(1) para escolas, uma peça incontornável do mago Hayao Miyazaki e dos Studio Ghibli – O Meu Vizinho Totoro (1988) e uma adaptação das Cartas da Guerra, a partir de escritos de António Lobo Antunes;

(2) para o público geral, CHUVA É CANTORIA NA ALDEIA DOS MORTOS, um indígena no Brasil contemporâneo com realização premiada em Cannes da dupla João Salaviza e Renée Nader Messora e À DISTÂNCIA, Leão de Ouro de Veneza com vista para as ruas de Caracas.



26.Mar – 10h00 (GA)CARTAS DA GUERRA de Ivo M. Ferreira - sessão para escolas (3.º ciclo e secundário)

Ano de 1971. António, de 28 anos, é incorporado no exército português para servir como médico numa das piores zonas da Guerra Colonial, no Leste de Angola. Longe de Maria José, a mulher amada que se viu obrigado a deixar, ele vai matando as saudades através de longas cartas que durante dois anos lhe escreve. Através delas, o espectador vai conhecendo o homem solitário por detrás do soldado, as suas angústias, desejos e esperanças. Com o passar do tempo, António apaixona-se por África e toma posições políticas… Um filme de Ivo M. Ferreira, que se inspira em "D'Este Viver Aqui Neste Papel Descripto: Cartas da Guerra", uma compilação de cartas que António Lobo Antunes (na altura um jovem alferes destacado para Angola) escreveu à mulher. O filme esteve já presente em vários festivais internacionais, entre eles o Festival de Cinema de Berlim.

Título original: Cartas da Guerra (Portugal, 2016, 100 min.)
Realização: Ivo M. Ferreira
Interpretação: Miguel Nunes, Margarida Vila-Nova, Ricardo Pereira
Classificação: M/12

Cinema screenings for schools - Letters of War by Ivo Ferreira adapts a book by Lobo Antunes, about the colonial war in Angola.



26.Mar – 14h30 (GA)O MEU VIZINHO TOTORO de Hayao Miyazaki (versão original) - sessão para escolas  (1.º e 2.º ciclo)

Este conto infantil magistralmente realizado por Hayao Miyazaki centra-se na história das irmãs Satsuke e Mei que descobrem que a sua nova casa está localizada junto a uma floresta habitada por um conjunto de criaturas chamadas Totoros. As irmãs tornam-se amigas de um Totoro, o maior e mais velho, o rei da floresta. Como a mãe está em convalescença no hospital, e o pai é professor, as crianças passam o tempo com o seu novo amigo. Totoro irá revelar-lhes um mundo mágico, mas também as irá ajudar a entender as duras realidades da vida. “O Meu Vizinho Totoro” foi realizado em 1988, tornando-se o símbolo do célebre Studio Ghibli.

Título original: Tonari no Totoro (Japão, 1988, 85 min.)
Realização: Hayao Miyazaki
Interpretação (vozes): Hitoshi Takagi, Noriko Hidaka, Chika Sakamoto
Classificação: M/6

Cinema screenings for schools - My Neighbor Totoro it’s a masterpiece by Hayao Miyazaki from Studio Ghibli, the Japanese animation film studio.



30.Mar – 15h00 (PA) CHUVA É CANTORIA NA ALDEIA DOS MORTOS de João Salaviza e Renée Nader Messora, com a presença dos realizadores

Esta noite, os espíritos e as cobras ainda não apareceram. A floresta ao redor da aldeia está calma. Ihjãc, quinze anos, tem pesadelos desde que perdeu o pai. Ele é um índio Krahô, do Norte do Brasil. Ihjãc avança na escuridão com o corpo suado. Uma voz distante ecoa por entre as palmeiras. A voz do pai chama-o, junto à cascata: chegou o momento de preparar a sua festa de fim de luto para que o espírito possa partir para a aldeia dos mortos. Rejeitando o seu dever e para escapar do processo de se transformar em xamã, Ihjãc foge para a cidade de Itacajá. Longe do seu povo e da sua cultura, vai enfrentar a realidade de ser um indígena no Brasil contemporâneo. O mais recente filme de João Salaviza e Renée Nader Messora foi premiado em vários festivais, dos quais destacamos o prémio do Júri na secção Un Certain Regard em Cannes.

Título original: Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos (Brasil / Portugal, 2018, 110 min.)
Realização: João Salaviza & Renée Nader Messora
Interpretação: Henrique Ihjãc Krahô, Raene Kôtô Krahô e Povo da aldeia de Pedra Branca
Classificação: M/12

The Dead and the Others by João Salaviza and Renée Nader Messora, an indigenous in contemporary Brazil. The filmmakers will be present for a Q&A session.



30.Mar – 18h00 (PA)À DISTÂNCIA de Lorenzo Viegas (secção América Latina)

Com esta sua primeira longa metragem, o venezuelano Lorenzo Vigas foi ao Festival de Veneza de 2015 ganhar o tão cobiçado Leão de Ouro. À Distância é um intenso drama sobre a relação tormentosa entre um homem abastado e um adolescente que é líder de um gangue criminoso em Caracas. A relação entre o homem e o rapaz trará à superfície os fantasmas do passado e dará origem a uma escalada de violência que testará até ao limite esse relacionamento. Realização segura e interpretações assombrosas, À Distância é um filme para deixar marcas.

Título original: Desde Allá (México / Venezuela, 2015, 95 min.)
Realização: Lorenzo Viegas
Interpretação: Alfredo Castro, Luis Silva, Jericó Montilla
Classificação: M/16

From Afar it’s a Venezuelan film who received the Golden Lion at the Venice Film Festival.

Bilheteira Sessões

Geral: 2 euros

Cartão quadrilátero: 1 euro

Entrada livre: estudantes, seniores, associados de cineclubes

Solaris - Quarteto Instrumental | Casa das Artes de Famalicão.


Solaris - Quarteto Instrumental

Musica /Jazz /brasileira | Latina.

23 de fevereiro | sábado | 23h00 | Café concerto

Entrada: 3 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 1.5 Euros
M/6

 Quatro músicos experientes, com percursos variados, encontram-se em palco para tocar e improvisar. O repertório inclui temas de jazz, peças escolhidas da música brasileira, temas originais do grupo e uma ou outra composição de ritmo latino. A nossa proposta é um convite à viagem musical - nossa e dos ouvintes - a partir da riqueza e variedade dos ritmos, melodias, harmonias e texturas que partilhamos com o público.



Aurélien Vieira Lino – piano   
João Vaz Pinto - saxofone
Pedro Teixeira - contrabaixo   
Diogo Leónidas – bateria

Solaris, a quartet with a repertoire of Jazz, Brazilian and Latin music.

A Vida no Campo - ESTREIA na Casa das Artes de Famalicão. Texto de Joel Neto e Catarina Ferreira de Almeida e Encenação de Luísa Pinto. Coprodução: Narrativensaio-AC e Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão



A Vida no Campo - ESTREIA

Texto de Joel Neto e Catarina Ferreira de Almeida e Encenação de Luísa Pinto.

Coprodução: Narrativensaio-AC e Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão
Teatro

21, 22 23 de março | 5.ª feira a sábado | 21h30 | Grande auditório

Entrada: 8 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 4 Euros

Duração: 80 min
Classificação: M/12

A couple from the city, a fresh start in a country house, A Life in the Country is a play about a marital crisis

Um casal vindo da cidade. Uma velha casa de família. Um recomeço – no campo. Podia começar assim o resumo de A Vida no Campo, adaptação livre do diário homónimo de Joel Neto, autor também (entre outros) dos romances Arquipélago e Meridiano 28. E, no entanto, não é apenas de idílio que fala a vida rural de hoje. Nem mesmo nesses milagrosos casos em que tudo nela é usufruto dos encantos da natureza e da vida simples. Há uma história que se muda com aqueles se mudam. E há sonhos por concretizar, frustrações acumuladas, mágoas escondidas com que um dia será preciso travar o combate que se adiou...Com encenação de Luísa Pinto, interpretações de António Durães e Filipa Guedes e participação especial de Fernando Alves, jornalista e radialista, A Vida no Campo é a história de uma crise conjugal. O texto é da autoria de Joel Neto e Catarina Ferreira de Almeida, os dois protagonistas do livro a que vai buscar o nome. Põe em oposição a vida urbana e a vida rural, usando como epítome a vida insular – que é talvez um pouco de ambas – mas determinado sobretudo a decifrar o que, no diálogo e nos silêncios estabelecidos entre as duas (ou as três), as separa e aproxima.

Ficha técnica
Texto: Joel Neto e Catarina Ferreira de Almeida
Encenação: Luísa Pinto
Interpretação: António Durães e Filipa Guedes e Fernando Alves
Espaço cénico e Figurinos: Luísa Pinto
Luz: Bruno Santos
Vídeo: Carlos Coelho Costa
Ambientes sonoros: Carlos Tê
Edição de sonoplastia: Pedro Vidal
Fotografia promocional: Paulo Pimenta
Assistente de Produção: Cláudia Pinto
Coprodução: Narrativensaio-AC e Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão


Camané e Mário Laginha | Casa das Artes de Famalicão.


Camané e Mário Laginha

Piano de Mário Laginha e a voz de Camané Juntos no Projeto "Aqui está-se sossegado"

Música

16 de março| Sábado | 21h30| Grande Auditório

Entrada: 12 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 6 Euros

M/6

Duração: 90min
Camané e Mário Laginha não são estranhos. Já deram vários concertos juntos. Do excelente entendimento sentido nessas colaborações esporádicas, resultou agora o inevitável aprofundamento dessa simbiose: "Aqui está-se sossegado" é um novo projecto pensado de raiz para dar mais brilho a uma voz e a um piano que se descobriram cúmplices desde a primeira vez que encheram um palco. O desenho dos concertos que configuram o projecto "Aqui está-se sossegado" contará com cerca de duas dezenas de temas, saídos do cânone fadista tradicional, do repertório de Camané e incluirá também inéditos compostos por Mário Laginha que, recorde-se, musicou já um poema de Álvaro de Campos "Ai Margarida", que integra um dos últimos discos de Camané.

A collection of songs of the fado singer Camané with the participation of the pianist Mario Laginha.

“Espreitar o Teatro em Família” | março.


 “Espreitar o Teatro em Família”

Traga os seus filhos, pais, avós e amigos e passe uma manhã animada e descontraída. Venha conhecer a Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão: percorra todas as áreas da Casa das Artes, mesmo aquelas às quais só os artistas tem acesso, vislumbre a exposição do Foyer da Casa das Artes. Ouça as histórias mais caricatas e entusiastas desta “aventura artística”, deste espaço artístico e cultural que celebra no presente ano o seu décimo oitavo aniversário.

DOM 31 de março de 2019

Sessões: 11h00



A guided visit through the theater

Orizuro | Escolas e Famílias - Março | Casa das Artes de Famalicão.

Orizuro

“…aos ninhos onde a música nasce com o movimento e traçam caminhos inesperados povoados de sons e imagens.”

Coprodução da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão com a Companhia de Música Teatral

Secção para escolas - 11 a 15 de março| segunda a sexta-feira | 10h30 14h30 - Entrada gratuita à lotação da Sala | Pequeno Auditório

Toda a família - 16 a 17 março| Sábado e Domingo| 11h00 e 17h00 |Pequeno Auditório

Entrada: 4 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros

Duração aproximada: 45 min

Toda a família.  



Sinopse

“Orizuro” é uma viagem mundo dos pássaros. De todos os pássaros, os reais e os imaginários, os das histórias, da poesia, da música, os que nos convidam a voar, os que cantam connosco. Três intérpretes levam bebés e crianças (e com elas os adultos) aos ninhos onde a música nasce com o movimento e traçam caminhos inesperados povoados de sons e imagens.

O orizuru na cultura tradicional japonesa é um símbolo de felicidade e na segunda metade do século vinte, após a bomba de Hiroshima, tornou-se num ícone do desejo de paz. A ideia de "afinação" tem estado presente em grande parte dos trabalhos da CMT, que tem usado a expressão "tuning people, birds and flowers" para se referir à procura, através da experiência artística, da afinação das pessoas com o que as rodeia. São esses os "pássaros" que Orizuro procurará revelar. Ou construir. Vivemos num tempo que precisa da nossa atenção urgente para a necessidade de preservarmos o mundo em que vivemos. Há muitas formas de o fazer. Ensinar a olhar e escutar de forma poética é certamente uma das que faz falta e deve ser promovida desde que nascemos.



Ficha técnica e artística

Conceção e Produção: Companhia de Música Teatral

Direção Artística e Música: Paulo Maria Rodrigues

Luz e Co-criação Coreográfica: Pedro Ramos

Visuais e Interactividade: Rodrigo Carvalho

Cenário: Miguel Ferraz

Figurinos: Rita Roberto

Gestão de Recursos Educativos: Helena Rodrigues

Interpretação: Inês Silva, Rita Roberto, António Dente



Orizuro is an educational project, through music and theater, for schools and families.

Os Vizinhos de Cima | Casa das Artes de Famalicão.


Os Vizinhos de Cima

Texto de Cesc Gay Encenação de Maria Henrique e Interpretação de Ana Brito e Cunha, Fernanda Serrano, Pedro Lima e Rui Melo.

Teatro/ comédia

8, 9 de Março| 6.ª e sábado-  21h30

Entrada: 12 euros. Cartão Quadrilátero Cultural: 6 Euros

M/14

Duração: 90 min

OS VIZINHOS DE CIMA marcam a estreia no teatro do cineasta Cesc Gay. Estreado primeiro Barcelona, converteu-se rapidamente no grande sucesso da temporada, esgotando todas as apresentações e batendo recordes de espectadores.

"Sem dúvida, uma das maiores e mais ambiciosas aventuras que podemos experimentar é viver em casal. Um grande desafio, cheio de adversidades e obstáculos em que a luta acontece diariamente, as trincheiras são infinitas e o consolo às feridas e arranhões sofridos é muitas vezes escasso e pouco saudável. Mesmo assim, inexplicavelmente homens e mulheres continuam a tentar. Por essa razão, estou convencido de que só com ironia e sentido de humor é possível escrever sobre essa tragédia que nos assombra desde o início dos tempos e da qual não podemos escapar. E o que é que os vizinhos de cima têm a ver com isso? Bem, eles são os culpados por estar a ler estas linhas agora. Há alguns anos atrás um casal mudou-se para o andar por cima do meu - onde vivo com a minha família. Quase de imediato começámos a ouvir ruídos estranhos, a qualquer momento ou hora do dia, sempre acompanhados de uma grande variedade de gemidos. Certamente que para mim, isto foi uma inspiração, e de forma inconsciente, acabou por dar origem ao que seria a minha primeira peça para teatro.” Cesc Gay

Ficha Técnica
Texto: Cesc Gay
Encenação: Maria Henrique
Interpretação: Ana Brito e Cunha, Fernanda Serrano, Pedro Lima e Rui Melo
Tradução: Maria João Rocha Afonso
Música Original: Filipe Melo
Cenário e Adereços: Rui Filipe Lopes
Figurinos: Isabel Carmona
Desenho de Luz: Luís Duarte
Produção: Força de Produção

The Upstairs Neighbors is a play about the great challenge of living as a couple, with dramaturgy from the Catalan Cesc Gay

Fado no Café da Casa | Março.


Fado no Café da Casa

Musica/ Fado

1 de março| sexta| 22h00| café concerto

Entrada: 3 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 1,5 Euros

M/6

Duração: 80 min

Fadista, 1ª parte– Joana Campos

Fadista, 2ª parte – Nisa Conde

Guitarra Portuguesa – Miguel Amaral

Viola de Fado – André Teixeira



Fado in the café-concerto

Azul Longe Nas Colinas De Dennis Potter | Casa das Artes de Famalicão.


Azul Longe Nas Colinas De Dennis Potter

Encenação de Manuel Tur. Coprodução da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão / ACE Escola de Artes – Famalicão. Alunos do 2º ano do Curso Profissional de Artes do Espetáculo-Interpretação da Academia Contemporânea do Espetáculo – Famalicão.

Teatro

28 fevereiro e 1 de março | Quinta e sexta| 21h30| grande Auditório

Entrada: 4 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros

M/12

Duração: 60 min

Willie, Peter, John, Raymond, Donald, Angela e Audrey são sete amigos. Têm por hábito brincar num bosque, perto da vila onde vivem, durante as férias de Verão. Brincam às guerras, aos pais e às mães, à caça ao esquilo, aos enfermeiros, reproduzindo aquilo que pensam ser a vida dos adultos. Medem forças e desafiam o perigo. Um texto chocante e, ao mesmo tempo, comovente, no qual  futuros actores representam um grupo de crianças a descobrir a violência do mundo que as rodeia – um mundo que procuram compreender imitando a realidade dos adultos. Uma história sobre a infância, a “terra do conteúdo perdido”, nos versos de A. E. Housman que servem de mote a esta peça.



Ficha técnica

Azul Longe Nas Colinas de Dennis Potter

Tradução: Daniel Jonas

Encenação: Manuel Tur

Cenografia: Ana Gormicho

Figurinos: Ana Isabel Nogueira

Desenho de Luz: José Diogo Cunha

Direcção Musical: Tiago Simães

Apoio de voz e elocução: João Castro

Assistência de encenação: Francisco Lima

Fotografia de cena: Pedro Figueiredo

Apoio a Cabelos: José Resende

com:

Alunos do 2º ano do Curso Profissional de Artes do Espetáculo-Interpretação da Academia Contemporânea do Espetáculo – Famalicão:

Alberto Batista, Alexandra Guimarães, Ana Guimarães, Ana Marques, Catarina Matos, , Andreia Coelho, Bruna Fernandes, Diogo Ribeiro, Diogo Sousa, Filipe Calder, Francisco Madureira, Íris Mendes, João Lin, Patrícia Nogueira, Patrícia Silva, Pedro Alves, Pedro Lemos, Tiago da Costa, Tiago Pereira e Vitória Ferreira,

Direção de Produção: Glória Cheio

Produção: João Faustino, Pedro Barbosa

Direção Executiva: Liliana Moreira



Blue Remembered Hills, a play about childhood by Dennis Potter

Exposição DE PINTURA de Luís Xavier | Casa das Artes de Famalicão.


Título: “Razões da Mente sobre o Corpo” e “Conflito”.

Exposição DE PINTURA de Luís Xavier

Foyer, até 31 de março 2019.

Luís Xavier, pintor Expressionista Abstrato Contemporâneo, natural de Guimarães.

Em 1985 concluiu o curso CIESA na Escola Artística e Profissional Árvore no Porto e

em 1989 formou-se em Design pela ARSUTORIA Design Internacional School em Milão.

Participou na EUROARTE em 1989 e atualmente tem trabalhado nestes dois temas, “Razões da Mente sobre o Corpo” e “Conflito”. O seu trabalho está voltado para a perceção visual da mente, sob a influência do quotidiano, suas memórias, razões e fantasias”, que nos leva numa viagem pelo seu mundo, entre sentimentos, cor e volumetrias.

Alguns dos seus trabalhos já se encontram em Fundações e Coleções nacionais e internacionais.



“Reasons of the mind about the body and conflict”, a painting exhibition by Luís Xavier.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Cinema na Casa das Artes |Fevereiro 2019



Cinema Digital na Casa das Artes

Entrada: 2 EUROS/ Estudante e Cartão Quadrilátero Cultural: 1 euro

6 de Fevereiro –21h30 | Grande Auditório

O Ben está de Volta 



Título original: Ben Is Back (EUA, 2018, 103 min.)
Realização: Peter Hedges
Interpretação: Julia Roberts, Lucas Hedges, Courtney B. Vance, Kathryn Newton
Classificação: M/14

Na manhã da véspera de Natal, a família Burns recebe uma visita inesperada nos subúrbios em que mora: Ben, o perturbado filho de 19 anos, aparece sem avisar. Ao longo das 24 horas seguintes, as vidas de toda a família, em especial da sua mãe, Holly, serão postas à prova. Um filme de Peter Hedges, o escritor e argumentista de "Gilbert Grape", que realizou filmes como "A Extraordinária Vida de Timothy Green" ou "O Amor e a Vida Real". O seu filho, Lucas Hedges, que foi nomeado para um Óscar pelo papel em "Manchester by the Sea", surge à frente de um elenco que inclui Julia Roberts e Courtney B. Vance.



15 de Fevereiro – 18h00 / 21h30 | Grande Auditório

O Regresso de Mary Poppins (versão original)



Título original: Mary Poppins Returns (EUA, 2018, 130 min.)
Realização: Rob Marshall
Interpretação: Emily Blunt, Meryl Streep, Colin Firth, Julie Walters, Angela Lansbury, Emily Mortimer, Dick Van Dyke
Classificação: M/6
Londres, década de 1930. Passados 20 anos, Mary Poppins, a ama com poderes mágicos criada por P.L. Travers, volta para ajudar a família Banks, que está a tentar ultrapassar uma tragédia. Michael e Jane, as crianças da história original, são agora crescidas e, no caso de Michael, já têm os seus próprios filhos, mas precisam da ama mais do que nunca. Para assisti-la, Jack, que trata dos postes de iluminação pública e era aprendiz de Bert, o limpa-chaminés/faz-tudo do original. Assinada por Rob Marshall, o ex-dançarino transformado em realizador de filmes como "Chicago" ou "Caminhos da Floresta", esta sequela chega 54 anos após "Mary Poppins", o filme de Robert Stevenson

Azul Longe Nas Colinas De Dennis Potter | Casa das Artes de Famalicão.


Azul Longe Nas Colinas De Dennis Potter

Encenação de Manuel Tur. Coprodução da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão / ACE Escola de Artes – Famalicão. Alunos do 2º ano do Curso Profissional de Artes do Espetáculo-Interpretação da Academia Contemporânea do Espetáculo – Famalicão.

Teatro

28 fevereiro e 1 de março | Quinta e sexta| 21h30| grande Auditório

Entrada: 4 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros

M/12

Duração: 60 min

Willie, Peter, John, Raymond, Donald, Angela e Audrey são sete amigos. Têm por hábito brincar num bosque, perto da vila onde vivem, durante as férias de Verão. Brincam às guerras, aos pais e às mães, à caça ao esquilo, aos enfermeiros, reproduzindo aquilo que pensam ser a vida dos adultos. Medem forças e desafiam o perigo.

Um texto chocante e, ao mesmo tempo, comovente, no qual  futuros actores representam um grupo de crianças a descobrir a violência do mundo que as rodeia – um mundo que procuram compreender imitando a realidade dos adultos. Uma história sobre a infância, a “terra do conteúdo perdido”, nos versos de A. E. Housman que servem de mote a esta peça.




Ficha técnica

Azul Longe Nas Colinas de Dennis Potter

Tradução: Daniel Jonas

Encenação: Manuel Tur

Cenografia: Ana Gormicho

Figurinos: Ana Isabel Nogueira

Desenho de Luz: José Diogo Cunha

Direcção Musical: Tiago Simães

Apoio de voz e elocução: João Castro

Assistência de encenação: Francisco Lima

Fotografia de cena: Pedro Figueiredo

Apoio a Cabelos: José Resende

com:

Alunos do 2º ano do Curso Profissional de Artes do Espetáculo-Interpretação da Academia Contemporânea do Espetáculo – Famalicão:

Alberto Batista, Alexandra Guimarães, Ana Guimarães, Ana Marques, Catarina Matos, , Andreia Coelho, Bruna Fernandes, Diogo Ribeiro, Diogo Sousa, Filipe Calder, Francisco Madureira, Íris Mendes, João Lin, Patrícia Nogueira, Patrícia Silva, Pedro Alves, Pedro Lemos, Tiago da Costa, Tiago Pereira e Vitória Ferreira,

Direção de Produção: Glória Cheio

Produção: João Faustino, Pedro Barbosa

Direção Executiva: Liliana Moreira

JP Simões na Casa das Artes de Famalicão.

JP Simões Solo

Musica
23 de fevereiro| sábado | 23h00 | Café concerto
Entrada: 3 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 1.5 Euros
M/6
Duração: 80 min
Cantor, compositor, letrista, contista e dramaturgo, JP Simões edita álbuns desde 1995, respetivamente com Pop Dell’Arte, Belle Chase Hotel, Quinteto Tati e a solo ou em colaboração com outros compositores. O seu último álbum em nome próprio, Roma, foi editado em 2013 e mereceu uma longa digressão nacional e internacional. E em 2016 lançou “Tremble Like a Flower”, sob o pseudónimo “Bloom”:
“JP Simões reinventa-se, mudando tudo: nome, língua, referências. O produto final é de uma beleza perturbadora que nos causa arrepios.” (Revista Altamont)
Já em 2018, apresentou um novo tema, "Alvoroço", no festival da canção, e regressou para a estrada para apresentar, de norte a sul, um espectáculo com reportório que atravessa diferentes facetas da sua carreira.

"Escrever, Falar"de Jacinto Lucas Pires | ESTREIA na Casa das Artes de Famalicão.


"Escrever, Falar" de Jacinto Lucas Pires ESTREIA

Uma co-produção Momento — Artistas Independentes e Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Teatro

21, 22, 23,24 de fevereiro| quinta a sábado-  21h30| 16h00 Domingo | Grande Auditório.

Entrada: 4 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros

M/12

Duração: 60 min




SINOPSE

Em lugar nenhum. Dois homens encontram-se (ou simplesmente estão) e permitem-se partilhar as suas histórias como quem constrói um guião. Viajam repetidamente numa história (que são várias) que eles próprios vão moldando tal como o tempo os molda a eles e os faz crescer e ganhar corpo à medida que falam e escrevem um destino partilhado.

É um trabalho sintético de Jacinto Lucas Pires que, em cerca de uma hora, condensa as suas melhores qualidades como dramaturgo, trazendo-nos os seus personagens que crescem no arco de tempo dos próprios espectáculos e se encontram, se reescrevem quase como se pudéssemos assistir ao vivo e a cores ao fenómeno impalpável do aparecimento de uma pessoa em cena.

É uma breve viagem que dá sempre um passo atrás para rever o seu rumo e, sem o auxílio de qualquer sistema de navegação assistida, se vira novamente para dentro com o objectivo de se enriquecer nas palavras dos dois personagens.



Encenação Simão Do Vale Africano

Assistência de Encenação e Produção Inês Simões Pereira

Interpretação Daniel Silva e Diogo Freitas

Desenho de Luz Pedro Correia

Sonoplastia Daniel Martinho

Figurinos Joana Africano

Fotografia Simão Do Vale Africano

Apoio à residência Teatro Viriato

Apoio Teatro Nacional São João

PaPI - Opus 8 na Casa das Artes de Famalicão.


PaPI - Opus 8

Coprodução da Casa das Artes com a Companhia de Musica Teatral

Apresentações em para escolas

- 11 de  fevereiro: Sol Nascente / Ribeirão – 10h30 e 14h30;

- 12 de Fevereiro: JI Louro / Louro – 10h30 e 14h30;

- 13 de Fevereiro : Salão Nobre da Junta de Freguesia de Brufe /Brufe – 10h30 e 14h30;

- 14 de Fevereiro: Centro Social e Paroquial de Requião / Requião – 10h30 e 14h30.

- 15 de fevereiro : Casa das Artes 10h30 e 15h00

- Duração Áprox 30 min - Entrada:  livre á lotação da Sala

 PaPI - Opus 8

Apresentações para famílias/ Público Geral

16e 17  fevereiro | sábado e domingo | 11h00 e 17h00 |Pequeno Auditório

Entrada: 4 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros

Duração aproximada: 30 min |Toda a família.  



PaPI-Opus 8 é filho de Orizuro. Voa por creches e jardins-de-infância porque é lá que encontra os meninos e as meninas com quem gosta de brincar. É ágil e colorido. Canta e viaja ao sabor dos sons e do movimento. A sua chegada é anunciada e a sua visita deixa vontade de o voltar a ver, mais tarde, mais crescido, mas sempre pronto a brincar.

Ficha técnica e artistica

Conceção e Produção: Companhia de Música Teatral

Direção Artística e Música: Paulo Maria Rodrigues

Cenário: Miguel Ferraz

Figurinos: Rita Robert?

Gestão de Recursos Educativos: Helena Rodrigues

Interpretação: Inês Silva

Público e Lotação: Salas de creche ou de jardim-de-infância com bebés ou crianças com idades compreendidas entre os zero e os seis anos de idade acompanhadas dos respetivos profissionais de educação.

Cavalheiro na Casa das Artes de Famalicão.

Cavalheiro 
Musica
16 de fevereiro | sábado | 23h00 | Café concerto
Entrada: 3 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 1.5 Euros
M/6
Duração: 70 min
O Cavalheiro é Tiago Ferreira. Nascido no Porto, criado em Santo Tirso e exilado em Braga, apresenta o longa duração Falsa Fé, que marca uma nova fase do seu percurso musical. Assentes num conceito de canção tradicional, as suas composições procuram contar pequenas narrativas sobre episódios da vida quotidiana, num registo filtrado de emoções e sentimentos sob uma instrumentação cuidada. Cavalheiro tem-se apresentado em diferentes formatos nos mais diversos palcos, procurando acima de tudo a intimidade e o silêncio, para ele tão importantes como a melodia.

Ao Cavalheiro juntam-se Ricardo Cibrão (baixo), João Freitas (bateria), João Coutada (teclados) e João Oliveira (guitarra

Alissa Margulis - Violino & Luis Magalhães -Piano | Casa das Artes de Famalicão.

Alissa Margulis Violino & Luis Magalhães Piano
Musica erudita
16 de fevereiro | sábado | 18h30 | Grande auditório
Entrada: 5 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2.5 Euros
Duração: 70 min (intervalo de 10 mim).

Este concerto apresenta dois músicos aclamados internacionalmente: a violinista Alissa Margulis e o pianista Luís Magalhães.

Alissa Margulis é enaltecida pelas suas atuações expressivas e emocionantes que lhe renderam um amplo reconhecimento artístico. Luis Magalhães desenvolveu uma carreira internacional como pianista, a solo, ou como musico de câmara, além de se ter estabelecido como professor na Universidade  Stellenbosch.

O programa do concerto da Casa das Artes inclui:  Sonata para violino e piano nª8 opus 30, de Ludwig van Beethoven (1770-1827); Violino Sonata de Leoš Janáčeko (1854-1928); Poema elegíaco de Eugène Ysaÿe (1858 -1931), e a Sonata n.º 2 em D maior) de Serge Prokofiev (1891-1953). É interessante e um elemento de coerência que Alissa Margulis, que leciona no Conservatório de Antuérpia, tenha escolhido representar Ysaÿe, possivelmente o compositor violinista mais famoso de todos os tempos e, da Rússia natal de Alissa Margulis, a segunda sonata para violino de Prokofiev, que coloca este compositor num lugar um pouco mais otimista do que em muitas das suas outras composições.