terça-feira, 12 de março de 2019

Trio Pagú na Casa das Artes de Famalicão.


Trio Pagú

Musica Brasileira Bossa Nova/Jazz

27 de Abril| Sábado | 23h00| Café-concerto

Música

Entrada: 3 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 1,5 Euros

M/6

Duração: 70 min

O Trio Pagú começou em 2004 procurando fundir a Bossa Nova e a MPB com a cultura europeia. Composto por Alex Liberalli (voz, percussão e melódica), Budda Guedes (guitarra e coros) e Inuri Bispo (percussão), o Trio Pagú mistura raízes e culturas desde a génese. Alex Liberalli é natural do Rio de Janeiro e vive em Braga desde 1989 e traz consigo toda a jinga carioca, o samba, a bossa nova, o teatro e a MPB. Budda Guedes é natural da Covilhã, mas vive em Braga desde 1981. A sua bagagem musical traz o Blues, o Soul, o Funk e o Rock. Inuri Bispo, natural de Salvador da Baia, vive em Braga desde 2005. Traz consigo toda o lado afro do Brasil, fortemente marcado pelos ritmos da Baía.

Trio Pagú it’s a combinação of Bossa Nova, Popular Brazilian Music and european culture, with Alex Liberalli (voice), Budda Guedes (electric guitar) and Inuri Bispo (percussion).

Baú dos Segredos | Teatro - ST. JAMES e POR UM FIO na Casa das Artes de Famalicão.


ST. JAMES

Baú dos Segredos | Classe A

16 e 17 abril| terça e quarta | 21h30| Sala ensaios

Teatro

Entrada: euros. 3 euros e Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural:  1.5 Euros

M/6

Duração: 60 min




SINOPSE:

Ano de 1864.

Longe da azáfama de uma sociedade em que as máquinas e progresso industrial são lei, o Orfanato de St. James floresce.

Um abrigo para aqueles que perderam a família ou que nunca a conheceram. Um lar para quem já não se lembra ou nunca conheceu o abraço de uma mãe ou o colo de um pai. Mas que se vê, agora, rodeado de abraços e sorrisos de vinte irmãos!

Conta a lenda que o orfanato era tão mágico que, mesmo depois de crescidas, as crianças pareciam não querer abandoná-lo. De facto, não há conhecimento de nenhum residente que o tenha feito...

Os seus risos e gargalhadas ainda se conseguem ouvir...constantes...eternas.



Ano de 2018.

Duas irmãs. Duas faces iguais. Dois caminhos indubitavelmente diferentes.

Uma escritora que procura inspiração numa lenda perdida no tempo e uma agente imobiliária que apenas quer fechar o seu próximo negócio.

Encontram-se, ao fim de muitos anos, às portas de St. James, onde acaba de chegar uma nova residente.

Quem serão estas crianças?

Porque parece o tempo ter parado, dentro desta casa?

Poderá a misteriosa recém-chegada ajudar as irmãs a descobrir o mistério do orfanato de St. James?

Uma história de magia, de disfarces e mentiras que precisam de ser descobertas. E, quem sabe, um final feliz... de sabor amargo.



FICHA TÉCNICA



TEXTO   João Regueiras e Ana J. Regueiras

CENOGRAFIA    Tiago Regueiras, Ana J. Regueiras e João Regueiras

ELENCO               Alunos da Classe A do Baú dos Segredos

ENCENAÇÃO     

João Regueiras, Ana J. Regueiras e Tiago Regueiras

DESENHO DE LUZ             Ana J. Regueiras e Tiago Regueiras

FIGURINOS & CARACTERIZAÇÃO              Cármen Regueiras e Emília Silva

LUZ & SOM        Equipa Técnica da Casa das Artes de Famalicão

PRODUÇÃO       João Regueiras e Casa das Artes





POR UM FIO

Baú dos Segredos |Classe B

18 e 19 abril| quinta e sexta| 21h30| Sala de ensaios

Teatro

Entrada: 3 euros e Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural:  1.5 Euros

M/6

Duração: 60 min




SINOPSE:



Um grupo...

Uma companhia onde se passeiam algumas vaidades.

Um mistério escondido à vista de toda a gente... e segredos!

Um velho solar. Uma casa estranha onde tudo transborda numa cascata de invejas e desamores.

O poder tece a sua teia, alheio a tudo, e quase consegue o seu propósito... por um fio.

Exercício de criação colectiva da Classe B. Um método de criação de teatro no qual o guião nasce de um trabalho colaborativo, muitas vezes improvisado, pelo conjunto de actores.





FICHA TÉCNICA

TEXTO   Alunos da Classe B

CENOGRAFIA    Tiago Regueiras, Ana J. Regueiras e João Regueiras

ELENCO               Alunos da Classe B do Baú dos Segredos

ENCENAÇÃO     

João Regueiras, Ana J. Regueiras e Tiago Regueiras

DESENHO DE LUZ             Ana J. Regueiras e Tiago Regueiras

FIGURINOS & CARACTERIZAÇÃO              Cármen Regueiras e Emília Silva

LUZ & SOM        Equipa Técnica da Casa das Artes de Famalicão

PRODUÇÃO       João Regueiras e Casa das Artes






Concerto Coral sinfónico de Páscoa | REQUIEM de Franz von SUPPÉ em Famalicão.

Concerto Páscoa

REQUIEM de Franz von SUPPÉ

 Fernando Marinho, direção

Solistas: Sara Braga Simões Soprano; Patricia Quinta Contralto, Mário João Alves Tenor; Job Tomé Baixo

Orquestra do Norte

Coro Polifónico da Lapa e Coro da Escola Superior de Educação do I.P.Porto

Concerto inserido na programação da Semana Santa de Vila Nova de Famalicão.

Musica coral Sinfónica

13 de Abril | sábado | 21h30| Igreja Matriz (Nova) de Vila Nova de Famalicão

Música

Entrada: Gratuita à lotação da sala

M/6

Duração:  75 min

REQUIEM DE SUPPÉ

Concerto com  Coro e Orquestra

Franz von SUPPÉ (1819-1895)

Requiem em ré menor (1855)

Requiem em ré menor – Franz von Suppé

Missa pro defunctis

I.Requiem aeternam Kyrie

Sequence:

II.Dies irae

III.Tuba mirum

IV.Rex tremendae

V.Recordare

VI.Confutatis

VIILacrimosa

Offertorium:

VIII.Domine Jesu Christe

IX.Hostias et preces

X.Sanctus

XI.Benedictus

XII.Agnus Dei.Libera me

XIII.Dies irae.Requiem aeternam



Concert with a repertoire of Franz von SUPPÉ inserted in the program of the Holy Week of Vila Nova de Famalicão.


Maestro Fernando Marinho
 
Orquestra do Norte

Coro Polifónico da Lapa e Coro da Escola Superior de Educação do I.P.Porto


Poética da Palavra | Encontros de Teatro Capítulo 2: 11 e 12 de abril de 2019.- " Peça Para Duas Personagens"


Poética da Palavra | Encontros de Teatro
Capítulo 2: 4 a 12 de abril de 2019.
Peça Para Duas Personagens de Tennessee Williams,

Encenação de Ivo Alexandre e interpretação de Anabela Faustino e Ivo Alexandre.

Uma coprodução da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, Teatro municipal de Bragança e a Companhia Ninguém

11/12 de Abril | 5.ª / 6.ª 21h30| Grande Auditório

Teatro

Entrada: 4 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros

M/12

Duração: 60 min

Peça Para Duas Personagens (The Two-Character Play ou Out Cry) foi considerada por Tennessee Williams a sua melhor e mais autobiográfica obra depois de Um Elétrico Chamado Desejo. Talvez pelo seu estilo minimalista, experimental e por se distanciar das peças realistas do seu reportório, não foi bem acolhida aquando da sua estreia (1973) e, desde então, é umas das peças menos conhecidas.

É uma obra poética, metafórica, onde realidade e ilusão se confundem num universo caótico. Os irmãos Clare e Felice são dois atores que, depois de despedidos pela companhia de teatro onde trabalhavam, refugiam-se num teatro abandonado, onde apresentarão uma peça escrita por Felice.

Tradução: Jacinto Lucas Pires
Encenação: Ivo Alexandre
Interpretação: Anabela Faustino e Ivo Alexandre
Cenografia e figurinos: Sara Amado
Desenho de Luz: Nuno Meira

Out Cry, a play written by Tennessee Williams, by Ivo Alexandre

Poética da Palavra | Encontros de Teatro Capítulo 2: 7 de abril de 2019 - "Vida e Obra de um Homem mais ou menos apresentável".,

Poética da Palavra | Encontros de Teatro
Capítulo 2: 4 a 12 de abril de 2019
"Vida e Obra de um Homem mais ou menos apresentável",
Texto e Encenação de Pedro Galiza e interpretação de Daniel Silva.
7 de abril | Domingo 17h00 e 21h30|Pequeno Auditório
Teatro
Entrada: 4 euros. Estudantes Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros
M/12
Duração: 75 min
"Um bom homem com uma boa consciência não anda tão rápido." Georg Büchner
Este não será, definitivamente, um bom homem com uma boa consciência. Não será, também, um mau homem com uma boa consciência. Porém, decretá-lo um mau homem com uma má consciência será, talvez, um exagero. A meio caminho, como em tudo na sua vida. A meio caminho. A metro e meio, dir-se-á a certa altura. Estica-se o passado, recua-se até uma avó moribunda, imagina-se o futuro e vê-se... o quê? Uma montanha gelada. Cinzenta. Entretanto, sobra-lhe o aqui e o agora, os dias empilhados e achatados e siameses, o trabalho, ou antes, o emprego, igual ao primeiro, mas sem o bálsamo dignificante de que o outro se reveste, as avaliações semanais, semanais!, as pequenas violências, o silêncio atafulhado de insultos disparados em todas as direcções e, à porta da loja, uma fotografia. De quem?
Texto, Encenação e Concepção Plástica: Pedro Galiza
Interpretação e Concepção Sonora: Daniel Silva
Produção Executiva: Inês Simões Pereira
Produção: Colectivo Grua
“A good man with a good conscience doesn’t walk so fast”. Georg Büchner
Life and work of a man more or less presentable, it’s a play by Pedro Galiza.

Poética da Palavra | Encontros de Teatro Capítulo 2: 6 de abril de 2019 - ODE MARÍTIMA

Poética da Palavra | Encontros de Teatro
Capítulo 2: 4 a 12 de abril de 2019
ODE MARÍTIMA de Álvaro de Campos
Leitura/interpretação de Pedro Lamares
6 de abril | Sábado 21h30 | Grande Auditório
Teatro
Entrada: 4 euros. Estudantes Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros
M/12
Duração: 70 min
Leitura da Ode Marítima de Álvaro de Campos, por Pedro Lamares.
Um dos mais desafiantes textos da poesia portuguesa. Uma viagem louca pelo Imaginário coletivo das viagens veleiras, pelo abismo da alma, pela crueldade no delírio. A leitura da Ode será integral, ao longo de cerca de 1 hora, despida de cenário e adereços. O texto, a voz e a luz.
Lecture of the Maritime Ode of Álvaro de Campos, by Pedro Lamares.

Poética da Palavra | Encontros de Teatro Capítulo 2: 5 de abril de 2019 - O ANJO

Poética da Palavra | Encontros de Teatro
Capítulo 2: 4 a 12 de abril de 2019
O ANJO, Henry Naylor
Encenação de Ángel Fragua e interpretação Teresa Arcanjo.
5 de Abril | 6.ª 21h30 | Grande Auditório
Teatro
Entrada: 4 euros. Estudantes Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros
M/14
Duração: 70 min
Há uma rapariga na Síria conhecida por “Anjo”. É Rehana. Tem 19 anos, estuda direito e é filha de pais agricultores. Rehana vive em Kobane - uma pequena cidade da Síria junto à Turquia - que um dia é invadida pelo ISIS. Rehana foge para a fronteira com a intenção de chegar à Turquia, mas a memória do pai que ficou para trás, é mais forte. Rehana volta para Kobane e vai à procura do pai. Nessa altura, é capturada pelo ISIS e vendida como escrava sexual. Rehana consegue fugir e unir-se ao YPJ - Unidades Femininas de Proteção. A vida vertiginosa acelera: torna-se franco-atiradora, mata 100 invasores e passa a ser temida pelo Estado Islâmico, cujos membros acreditam que quem é morto por uma mulher não consegue entrar no paraíso e ter direito às setenta e duas virgens, no outro mundo. Rehana é uma rapariga, o “anjo” de Kobane. Uma história narrada por Rehana, que conta a sua história autobiográfica diretamente ao público, através da 'quarta parede'.
Autor: Henry Naylor
Tradução: José Paulo Tavares
Interpretação: Teresa Arcanjo
Encenação: Ángel Fragua
Assistente de encenação: Mara Correia
Desenho de iluminação: Pedro Pires Cabral
Figurino: Cláudia Ribeiro
Trechos musicais: Isabel Maria Silva
Fotografia: Lino Silva
Designer gráfico: Paulo Araújo
Registo Vídeo: Look Closer – André Macedo
Comunicação: Inquieta - Produção e Comunicação Cultural
Coprodução: Ángel Fragua e Teatro de Vila Real
The Angel it’s a play written by Henry Naylor about Rehana and her story in Kobane, a little city in Siria, that was invaded by ISIS.

Poética da Palavra | Encontros de Teatro Capítulo 2: 4 de abril de 2019 - Stand Down.

Poética da Palavra | Encontros de Teatro
Capítulo 2: 4 a 12 de abril de 2019

Stand Down

Criação e interpretação de Ángel Fragua a partir de dois contos de Félix Albo

4 de Abril | 5.ª 21h30 | Pequeno Auditório

Teatro

Entrada: 4 euros. Estudante e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros

M/12

Duração: 80 min

“Stand Down” não é “up”, é outra coisa. São as memorias de um homem, as reais e as outras. São as lembranças de infância com os olhos de agora. São os primeiros silêncios, que viram falar mais alto do que as mais sonoras palavras. Uma viagem no palco entre Espanha e Portugal, numa miscelânea de sentimentos conduzida pelo ator Ángel Fragua. Partindo de dois contos de Félix Albo, “Secretos de Familia” e “Um Roble em um Cementerio”, Ángel mostra-nos neste “Stand Down” porque razão morrer de amor pode ser só o inicio de uma estória. Porque “Stand Down” é a vida ali à espreita e o riso, por vezes, do avesso.

Uma criação de Ángel Fragua a partir de dois contos de Félix Albo
Encenação: Mara Correia
Fotografia de cena e cartaz: O Revelador
Design de cartaz: Paulo Araújo
Produção: Inquieta – Produção e Comunicação Cultural
Stand Down it’s a play that joins two short stories by Felix Albo, about the memories of a man.

Poética da Palavra | Encontros de Teatro Capítulo 2: 4 a 12 de abril de 2019 na Casa das Artes de Famalicão.

Poética da Palavra | Encontros de Teatro

Capítulo 2: 4 a 12 de abril de 2019

O texto, a palavra, a voz, o trabalho de ator, são os fundamentos centrais destes encontros de teatro. Queremos evidenciar este universo de elementos cúmplices, aquilo que entendemos como a essência, a ontologia, do teatro. Pretendemos destacar a interpretação, a relação entre técnica, sentimento íntimo e subjetivo de convicção criadora e a consolidação da personagem, como um processo indissociável de um exigente trabalho pessoal, que é físico e de estudo profundo e inesgotável. No final da cada apresentação, teremos uma conversa com os atores que protagonizam cada projeto teatral, no sentido de podermos conhecer o trabalho, concreto, sobre o texto, a palavra e a sua relação com o corpo (que lhe dá voz), e o processo de construção de cada personagem.  Neste segundo capítulo, teremos cinco projetos: 

STAND DOWN, uma criação e interpretação de Ángel Fragua a partir de dois contos de Félix Albo; O ANJO de Henry Naylor, com interpretação de Teresa Arcanjo; ODE MARÍTIMA de Álvaro de Campos, com interpretação de Pedro Lamares; VIDA E OBRA DE UM HOMEM MAIS OU MENOS APRESENTÁVEL, com texto e encenação de Pedro Galiza e com interpretação de Daniel Silva; PEÇA PARA DUAS PERSONAGENS, de Tennessee Williams, com Encenação de Ivo Alexandre e interpretação de Anabela Faustino e Ivo Alexandre.




Fado no Café da Casa | Abril


Fado no Café da Casa

Musica/ Fado

5 de abril | sexta| 22h00| café concerto

Entrada: 3 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 1,5 Euros

M/6

Duração: 80 min

1ª parte– Mário Bruno

2ª parte– Adriana Paquete

Guitarra Portuguesa – Miguel Amaral

Viola de Fado – André Teixeira

 Enaltecendo o Fado, a Casa das Artes irá celebrá-lo-á mensalmente e além de receber fadistas consagrados, será dada a oportunidade a novos intérpretes, músicos e até compositores. No Café Concerto decorrerão estas noites de fado, como se de uma típica e tradicional tasca de se tratasse, elevando e acompanhando o reconhecimento do “nosso” Fado, como Património Imaterial da Humanidade, atestado pela UNESCO.


Fado in the café-concerto

Projeto Orizuro - Workshops e “Conferência dos pássaros” na Casa das Artes de Famalicão

Projeto Orizuro - Workshops:

Dia 6 de abril | Foyer (entrada livre)

Neste workshop juntaremos as mãos e as vozes das famílias e dos profissionais que cuidam das nossas crianças. Queremos que a construção da instalação “Inúmera Mão” seja obra de todos. Vamos conhecer-nos melhor e afinar o rumo do nosso voo coletivo.

Workshop 1: 10h-11h30, 6 de abril, Sábado
Workshop 2: 11h30 – 13h, 6 de abril, Sábado
Workshop 3: 15h-16h30, 6 de abril, Sábado

Destinatários: Educadoras e famílias, mediante inscrição, até ao limite de 20 lugares em cada workshop.

 Projeto Orizuro - “Conferência dos pássaros”

Dia 6 de Abril às 18h, Sábado, Sala de Ensaios  (entrada livre)

Conferência-performance em que se partilham ideias e resultados do projeto.

“Inúmera Mão" Instalação do Projeto Orizuro na Casa das Artes de Famalicão.


Título: “Inúmera Mão"

Instalação do Projeto Orizuro

Dia 6 de abril a 31 de Maio | Foyer

 “Inúmera Mão” é uma instalação artística que reúne os contributos de crianças, famílias e profissionais que participam no Projeto Orizuro.

Orizuro propõe uma intervenção ao nível das práticas artísticas e da educação ambiental através de ações formativas, de performances e de um conjunto de objetos cénicos e escultóricos de natureza sonora e visual, fazendo lembrar a necessidade de escutar os pássaros. Em Jardins de Infância e escolas, esses objetos vão sendo transformados pela mão de crianças, seus Pais e educadores, integrando depois "Inúmera Mão".

A instalação resulta, assim, de um processo partilhado em que se dá asas à imaginação, convocando a força e a beleza de uma vontade coletiva.

Cuidemos dos pássaros.


“Inúmera Mão” it’s an art installation that brings together the contributions of children, families and professionals who participate in the Project “Orizuro”.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Green Book - Um Guia Para a Vida | Casa das Artes de Famalicão


Cinema Digital na Casa das Artes
Entrada: 2 EUROS/ Estudante e Cartão Quadrilátero Cultural: 1 euro
Green Book - Um Guia Para a Vida
15 de Março – 18h00 / 21h30 - GA

 EUA, 1962. Desempregado desde o encerramento da discoteca onde trabalhava como segurança, Tony Lip (Viggo Mortensen) está disposto a aceitar qualquer trabalho. Um dia, conhece Don Shirley (Mahershala Ali), um famoso pianista negro que procura alguém que, durante a digressão de oito semanas que está prestes a fazer pelo Sul do país, ocupe simultaneamente os cargos de motorista e de segurança. Mas o temperamento de cada um, diametralmente oposto, vai transformar aquela viagem num verdadeiro desafio. Com assinatura de Peter Farrelly ("Doidos por Mary"), uma comédia dramática estreada internacionalmente no Festival de Cinema de Toronto, foi também nomeado para cinco Oscares, tendo já arrecadado três Globos de Ouro: Melhor Filme de Comédia ou Musical, Melhor Actor Secundário (Ali) e Melhor Argumento Original.

Título original: Green Book (EUA, 2018, 130 min.)
Realização: Peter Farrelly
Interpretação: Viggo Mortensen, Mahershala Ali, Linda Cardellini
Classificação: M/12

Green Book is a American film directed by Peter Farrely starring by Mahershala Ali and Viggo Mortensen, set in the Deep South in the 1960s.

Josephine Foster | Casa das Artes de Famalicão.


Josephine Foster

Josephine Foster apresentar-se-á em formato quarteto, com a participação de Victor Herrero (guitarra eléctrica, portuguesa e clássica), Rosa Gerhards (baixo e vozes) e Josefin Runsteen (violino, percussão and voz).

Música

30 de fevereiro | sábado | 23h00 | Café concerto

Entrada: 3 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 1.5 Euros
M/6



Não é possível contar a história da folk norte-americana dos últimos 15 anos sem referir o nome de Josephine Foster. A sua extensa discografia pauta pela variedade: com as influências da ópera e do rock, do jazz e da música do sul de Espanha, a norte-americana construiu um som que é só seu – e é inconfundível. O seu mais recente disco, o duplo Faithful Fair Harmony, é apenas mais uma prova da vitalidade e beleza da sua proposta.

The folk singer Josephine Foster accompanied by a quartet of musicians.

Mazgani com Sean Riley | Casa das Artes de Famalicão.


Mazgani com Sean Riley

Música

30 de Março| Sábado | 21h30| Grande Auditório

Entrada: 10 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 5 Euros

M/6

Duração: 90 min

“Mazgani com Sean Riley” é um encontro entre dois amigos. Uma celebração da música e da amizade num palco tomado de assalto por Sean Riley (Afonso Rodrigues) e Shahryar Mazgani. O enredo é tecido pelos companheiros de longa data de Mazgani, Isaac Achega e Vítor Coimbra. Juntos partem numa viagem em que reinterpretam temas do repertório de ambos, injetando-lhes nova vida à luz da estética particular do projeto. “Mazgani com Sean Riley” é um uma experiência única onde dois cantores e compositores dão as mãos procurando mais uma vez o que sempre desejaram: tornar as suas canções maiores.

A concert that brings together Mazgani and Sean Riley, who will play themes of both careers.

Close-up – Observatório de Cinema de Vila Nova de Famalicão Episódio 3.2 – 26 e 30 de Março | Casa das Artes de Famalicão.


Close-up – Observatório de Cinema de Vila Nova de Famalicão

Episódio 3.2 – 26 e 30 de Março

O mais recente filme de João Salaviza e Renée Nader Messora é o destaque desta segunda réplica, que continua a apresentar produção da América Latina (em destaque em Outubro passado, ver www.closeup.pt) e a dialogar com escolas, com programação do 1.º ciclo ao ensino secundário:

(1) para escolas, uma peça incontornável do mago Hayao Miyazaki e dos Studio Ghibli – O Meu Vizinho Totoro (1988) e uma adaptação das Cartas da Guerra, a partir de escritos de António Lobo Antunes;

(2) para o público geral, CHUVA É CANTORIA NA ALDEIA DOS MORTOS, um indígena no Brasil contemporâneo com realização premiada em Cannes da dupla João Salaviza e Renée Nader Messora e À DISTÂNCIA, Leão de Ouro de Veneza com vista para as ruas de Caracas.



26.Mar – 10h00 (GA)CARTAS DA GUERRA de Ivo M. Ferreira - sessão para escolas (3.º ciclo e secundário)

Ano de 1971. António, de 28 anos, é incorporado no exército português para servir como médico numa das piores zonas da Guerra Colonial, no Leste de Angola. Longe de Maria José, a mulher amada que se viu obrigado a deixar, ele vai matando as saudades através de longas cartas que durante dois anos lhe escreve. Através delas, o espectador vai conhecendo o homem solitário por detrás do soldado, as suas angústias, desejos e esperanças. Com o passar do tempo, António apaixona-se por África e toma posições políticas… Um filme de Ivo M. Ferreira, que se inspira em "D'Este Viver Aqui Neste Papel Descripto: Cartas da Guerra", uma compilação de cartas que António Lobo Antunes (na altura um jovem alferes destacado para Angola) escreveu à mulher. O filme esteve já presente em vários festivais internacionais, entre eles o Festival de Cinema de Berlim.

Título original: Cartas da Guerra (Portugal, 2016, 100 min.)
Realização: Ivo M. Ferreira
Interpretação: Miguel Nunes, Margarida Vila-Nova, Ricardo Pereira
Classificação: M/12

Cinema screenings for schools - Letters of War by Ivo Ferreira adapts a book by Lobo Antunes, about the colonial war in Angola.



26.Mar – 14h30 (GA)O MEU VIZINHO TOTORO de Hayao Miyazaki (versão original) - sessão para escolas  (1.º e 2.º ciclo)

Este conto infantil magistralmente realizado por Hayao Miyazaki centra-se na história das irmãs Satsuke e Mei que descobrem que a sua nova casa está localizada junto a uma floresta habitada por um conjunto de criaturas chamadas Totoros. As irmãs tornam-se amigas de um Totoro, o maior e mais velho, o rei da floresta. Como a mãe está em convalescença no hospital, e o pai é professor, as crianças passam o tempo com o seu novo amigo. Totoro irá revelar-lhes um mundo mágico, mas também as irá ajudar a entender as duras realidades da vida. “O Meu Vizinho Totoro” foi realizado em 1988, tornando-se o símbolo do célebre Studio Ghibli.

Título original: Tonari no Totoro (Japão, 1988, 85 min.)
Realização: Hayao Miyazaki
Interpretação (vozes): Hitoshi Takagi, Noriko Hidaka, Chika Sakamoto
Classificação: M/6

Cinema screenings for schools - My Neighbor Totoro it’s a masterpiece by Hayao Miyazaki from Studio Ghibli, the Japanese animation film studio.



30.Mar – 15h00 (PA) CHUVA É CANTORIA NA ALDEIA DOS MORTOS de João Salaviza e Renée Nader Messora, com a presença dos realizadores

Esta noite, os espíritos e as cobras ainda não apareceram. A floresta ao redor da aldeia está calma. Ihjãc, quinze anos, tem pesadelos desde que perdeu o pai. Ele é um índio Krahô, do Norte do Brasil. Ihjãc avança na escuridão com o corpo suado. Uma voz distante ecoa por entre as palmeiras. A voz do pai chama-o, junto à cascata: chegou o momento de preparar a sua festa de fim de luto para que o espírito possa partir para a aldeia dos mortos. Rejeitando o seu dever e para escapar do processo de se transformar em xamã, Ihjãc foge para a cidade de Itacajá. Longe do seu povo e da sua cultura, vai enfrentar a realidade de ser um indígena no Brasil contemporâneo. O mais recente filme de João Salaviza e Renée Nader Messora foi premiado em vários festivais, dos quais destacamos o prémio do Júri na secção Un Certain Regard em Cannes.

Título original: Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos (Brasil / Portugal, 2018, 110 min.)
Realização: João Salaviza & Renée Nader Messora
Interpretação: Henrique Ihjãc Krahô, Raene Kôtô Krahô e Povo da aldeia de Pedra Branca
Classificação: M/12

The Dead and the Others by João Salaviza and Renée Nader Messora, an indigenous in contemporary Brazil. The filmmakers will be present for a Q&A session.



30.Mar – 18h00 (PA)À DISTÂNCIA de Lorenzo Viegas (secção América Latina)

Com esta sua primeira longa metragem, o venezuelano Lorenzo Vigas foi ao Festival de Veneza de 2015 ganhar o tão cobiçado Leão de Ouro. À Distância é um intenso drama sobre a relação tormentosa entre um homem abastado e um adolescente que é líder de um gangue criminoso em Caracas. A relação entre o homem e o rapaz trará à superfície os fantasmas do passado e dará origem a uma escalada de violência que testará até ao limite esse relacionamento. Realização segura e interpretações assombrosas, À Distância é um filme para deixar marcas.

Título original: Desde Allá (México / Venezuela, 2015, 95 min.)
Realização: Lorenzo Viegas
Interpretação: Alfredo Castro, Luis Silva, Jericó Montilla
Classificação: M/16

From Afar it’s a Venezuelan film who received the Golden Lion at the Venice Film Festival.

Bilheteira Sessões

Geral: 2 euros

Cartão quadrilátero: 1 euro

Entrada livre: estudantes, seniores, associados de cineclubes