Casa das Artes e Teatro Narciso Ferreira

quarta-feira, 25 de janeiro de 2023

Collettivo 6tu (Itália) - Krama \ Teatro Narciso Ferreira.


Collettivo 6tu (Itália)

Krama

Residências Artísticas

TNF & INAC Instituto Nacional de Artes de Circo

circo contemporâneo

M/6 . duração 30' 

17 fevereiro sexta . 10:30 espetáculo (estreia) + conversa | sessão para escolas (1º ciclo)

18 fevereiro sábado . 21:30 - espetáculo (estreia) + conversa - público em geral

 Ficha Artística

criação e interpretação Collettivo 6tu / Sara Frediani (IT), Carlos Rodrigo Parra Zavala (MEX), Emanuel Caro (ARG), Campion Alessandro (IT) , Rachele Grassi (IT), Eleni Fotiou (GR)

coprodução Centro de produção BlucinQue/Nice

tutoria artística Alessandra Simone

olhar externo e ajuda técnica Gabriel Taiar

desenho luz Marco Albanese

direção técnica de circo Arian Miluka

produção INAC – Instituto Nacional de Artes do Circo

coprodução Teatro Narciso Ferreira [Casa das Artes de Famalicão]

No âmbito da parceria estratégica com a Rede Artes Performativas de Famalicão “SOBRE O PALCO”, o TNF inicia em 2023 um projeto de Residências Artísticas Internacionais com o INAC – Instituto Nacional de Artes do Circo, proporcionando um espaço de criação para artistas emergentes e fomentando o diálogo da estética do circo contemporâneo com a comunidade local. Com curadoria geral INAC, as companhias foram selecionadas por Open Call e estarão em residência no Teatro Narciso Ferreira, apresentando-se para escolas e para público em geral, com uma conversa pós espetáculo.

 

 

Os artistas de Coletivo 6tu nasceram de experiências vividas na Fundação Cirko Vertigo (IT) e Circo Zoé (IT).

 

“Tudo funciona graças ao equilíbrio entre os elementos. Não há prevalência de um elemento em detrimento do outro, mas tudo permanece porque cada componente dá e recebe as suas emoções. A confiança mútua permite criar atmosferas harmónicas nas quais é possível compreender a energia, companheirismo, apoio. Todos os ingredientes essenciais para a criação de um caminho compartilhado e sólido. Diferentes personalidades que se fundem para criar situações novas e únicas.”

Ana Pinhal - Quarteto de Fado Tradicional | Teatro Narciso Ferreira

 



Ana Pinhal

Quarteto de Fado Tradicional

4 fevereiro, sábado . 21:30

música . fado

Ana Pinhal nasceu em 1980 em Leça da Palmeira, Portugal. Desde cedo a música, bem como outras artes, fazem parte da sua vida, tendo integrado o grupo musical BoiteZuleika, entre outros projetos. Teve aulas de formação musical e canto com Ana Celeste Ferreira. Entre 2007 e 2010, cursou Cante Flamenco na Fundación Cristina Heeren, em Sevilha. Em 2008, com Francisco Almeida (guitarra flamenca), inicia o projeto Fado Violado; lançando o seu primeiro disco, “A Jangada de Pedra”, em 2015. A par do projeto Fado Violado, Ana Pinhal foi fadista residente na Casa da Mariquinhas e Taberna Real Fado no Porto, e integra o grupo Fado in Porto, nas Caves Calém, em Vila Nova de Gaia. Apresentou-se ao vivo em Portugal, Espanha, França, Holanda, Roménia, Bulgária, Hungria e Índia. É considerada como uma das novas vozes em maior ascensão dentro do Fado, tendo feito a abertura da Saison Croisée Portugal França na Philarmonie de Paris,  a 11  de fevereiro de 2022.

Ana Pinhal cantadeira

André Teixeira viola de fado

João Martins guitarra portuguesa

Sérgio Marques viola baixo

Lullaby - Espetáculo para bebés | Casa das Artes de Famalicão .

 


Lullaby

Espetáculo para bebés

25 de Fevereiro |Sábado| 11h00, 15h00| Pequeno Auditório | Para Famílias

   Entrada: 5 euros para adulto, com entrada livre para a criança

Duração: 30 min

 Copélia é acordada pelo sapateiro da aldeia, aos poucos a boneca ganha vida e dança, dança, dança e vai parar ao mercado de um país misterioso onde histórias e canções contam a sua maravilhosa aventura. Copélia acorda e adormece ao ritmo da música. O sonho e a realidade confundem-se em textura, cor e sabores. O espectáculo Lullaby parte de um cruzamento do bailado “Copélia" e do conto a “A Lagarta Comilona”, de Eric Carl, baseando-se na construção de estímulos sensoriais, em particular daqueles que partem de elementos naturais como as frutas as cores e os legumes.

Criação: Paulo Lage            

Processo colaborativo: Carolina Branco, Cheila Lima, Chris Santos e Sofia Loureiro

Concepção Plástica: Samantha Silva

Fotografia: Sofia Berberan

Produção Executiva: PlageTeatro

 Lullaby, a program for babies

Ao Encontro da Alegria obras de Fernando Lapa: lançamento do disco com Carla Caramujo, soprano / Duarte Pereira Martins, piano /Nuno Cardoso, violoncelo/ Miguel Costa , clarinete | Casa das Artes de Famalicão.



 Ao Encontro da Alegria de Fernando Lapa: lançamento do disco

Carla Caramujo, soprano / Duarte Pereira Martins, piano, Nuno Cardoso, violoncelo e Miguel Costa , clarinete,

25 de fevereiro | sábado|21h30 | Grande Auditório

Musica

Entrada: 4 euros. Estudante, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir dos 65 anos): 2 Euros

M/6

Duração: 80 min

 “Sempre que trabalho sobre um texto, a escrita musical decorre inteiramente das palavras e das teias que elas urdem no interior dos poemas.” É desta forma que Fernando Lapa nos descreve o processo criativo referente a “ao encontro da alegria”, ciclo para canto e piano, com textos de Nuno Higino, que será ouvido em público pela primeira vez neste concerto e que dá nome ao mais recente CD da colecção discográfica melographia portugueza, do MPMP Património Musical Vivo. Além dele, Carla Caramujo propõe-nos um percurso sentimental que a liga à música do compositor de Vila Real, tão profundamente ligado à poesia e, portanto, ao canto.

Carla Caramujo, soprano

Duarte Pereira Martins, piano, Nuno Cardoso, violoncelo e Miguel Costa, clarinete.

 Programa:

- Imagem. (2015)
Para soprano e piano. Poema de Miguel Torga

- Ao encontro da Alegria. (2020, estreia absoluta)
Ciclo de seis canções para soprano e piano. Poemas de Nuno Higino

 O lançamento do disco “Ao Encontro da Alegria”, além do concerto terá uma conversa com o compositor, Fernando Lapa.

 A concert by Carla Caramujo e Duarte Pereira Martins in a program that includes “Ao Encontro da Alegria”, by the composer Fernando Lapa

Dramoletes _ estreia | Casa das Artes de Famalicão.

 


Dramoletes _ estreia

Encenação de Manuel Tur

Coprodução: Casa das Artes de Famalicão e ACE Escola de Artes de Famalicão

Teatro

23 e 24 de Fevereiro | quinta e sexta-feira | 21h30| Grande Auditório

Entrada: 4 euros. Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir de 65 anos): 2 Euros

 M/12

Duração: 80 min

Estes DRAMOLETES (palavra inventada por Bernhard) caracterizados por uma forma breve ou peça curta, são um conjunto de sete “omeletas”, uma omeleta de omeletas, todas elas aliás de composição diversa além da brevidade temporal e da concisão dramática. Estaremos perante um teatro político? Certamente, mas na sua melhor forma, isto é, teatro não panfletário, teatro de uma identificação a cru das taras pós-modernas do conservadorismo que, como mentalidade e poder, continua nesta Europa do pós-guerra a ser parte dos seus climas mentais em variados territórios e a governá-la em conúbio com o pior dos fanatismos. Político, portanto, no sentido mais nobre, o da revelação clara do que os meios de desinformação sempre relativizam: camuflar o que é monstruoso, bestial e tido como normal, ou pela ausência de notícia ou pelo excesso da sua exposição. Quanto mais se espectaculariza mais opacificação se alcança, quanto mais se repete a ferida em espetáculo, sensacionalismo, menos se dá perceber. Eis a contra estratégia dos dramoletes: fazer o retrato indesmentível do pior da história europeia como vida coetânea e normalidade aceite, o nazismo, num gesto corajosamente acusador para quem entre eles inevitavelmente vive.

 Ficha Artística

Texto: Thomas Bernhard
Tradução: Fernando Mora Ramos e Isabel Lopes

Encenação: Manuel Tur

Elenco: Alexandra Sousa, Beatriz Cardoso, Beatriz Paquete, Beatriz Pelayo, Carminho Postiga, Carolina Figueiredo, Catarina Coelho, Emanuel Mirra, Filipa Morim, Lara Maio, Lemos, Leonor Neto, Luísa Araújo, Lukas, Márcia Rodrigues, Margarida Pinto, Margarida Teixeira, Maria Cunha, Maria Nogueira, Mariana Casqueira

Cenografia: Ana Gormicho

Figurinos e Adereços: Ana Isabel Nogueira

Iluminação: José Saraiva

Operação de luz: José Saraiva

Sonoplastia: Joel Azevedo

Operação de som: Joel Azevedo

Fotografia de Cena: José Caldeira

Cabelos: José Resende

Direção de Produção: Glória Cheio

Produção: Rui Bezerra

Coprodução: Casa das Artes de Famalicão e ACE Escola de Artes de Famalicão

Teatro

Dramoletes, a play by Thomas Bernhard, staged by Manuel Tur

Cinema - BABYLON de Damien Chazelle Casa das Artes de Famalicão

 



Entrada: 4 EUROS

Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir dos 65 anos): 2 euro

 BABYLON de Damien Chazelle

18.Fev. Sábado – 15h00 /21h30 – Grande Auditório

Crónica da indústria cinematográfica norte-americana em finais dos anos de 1920, centra-se na ascensão e na queda de um conjunto de personagens, históricas e ficcionais, durante a transição dos filmes mudos para os sonoros. Um mundo de excentricidade, ambição desmedida e desenfreada decadência que marcou o início dos anos de ouro em Hollywood. Com Margot Robbie, Brad Pitt, Tobey Maguire, Flea, Lukas Haas, Eric Roberts, Diego Calva, Jean Smart, Jovan Adepo e Li Jun Li.

Titulo Original: Babylon (EUA, 2022, 180 min)

Classificação: M/12

 Babylon is a 2022 American film directed by Damien Chazelle. Its plot chronicles the rise and fall of multiple characters during Hollywood's transition from silent to sound films in the late 1920s.

Miguel Araújo – Casca de Noz | Casa das Artes de Famalicão.

 


Miguel Araújo – Casca de Noz

11 de fevereiro | sábado |21h30 | Grande Auditório

Musica

Entrada: 20 euros. Estudante, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir dos 65 anos): 10 Euros

M/6

Duração: 80 min

 Em 2019 dei a volta ao país numa digressão de auditórios a que chamei de "Casca de Noz". Eu, sem guião, sozinho no palco, amparado pelos meus instrumentos e pelas minhas músicas. A aventura passou pelas principais salas do país e culminou com sessão dupla no Coliseu do Porto. Na altura ainda só ia a meio do que é a minha discografia editada. Sinto que já justifica uma nova temporada. De quando em quando as minhas músicas sentem vontade de se passearem por aí da forma que vieram ao mundo. E eu tenho muitas que ainda não toquei ao vivo. Venham!

A solo concert by Miguel Araújo, in the tour called Casca de Noz

Auto da Barca do Inferno _ estreia | Casa das Artes de Famalicão


Auto da Barca do Inferno _ estreia

Produção: AGON / Momento - Artistas Independentes

Coprodução: Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Teatro

9 de Fevereiro|quinta-feira (10h00 / 15h00, para escolas) | Grande Auditório

10 de Fevereiro|sexta-feira (10h00, para escolas) | Grande Auditório

Entrada livre sujeita à inscrição prévia das escolas

 M/6

Duração: 60 m

 "À barca, à barca da vida"

Nesta famosa alegoria de Gil Vicente vemos aqui julgadas várias almas. Almas que seguiram caminhos distintos na Terra e que chegaram a um ponto de não retorno. Qual será o fim destes seres? Será a pura Barca da Glória guardada pelo Anjo o veículo que os levará ao grandioso fim? Ou será a suja e espaçosa Barca do Inferno guardada pelo sarcástico Diabo? Na obra destacam-se não só os percursos e ações de cada "figura-tipo", mas também a identificação e a intemporalidade, recorrendo à dramatização, à tecnologia e à música como estratégias de aproximação desta obra datada ao público escolar jovem. Num mundo em que cada vez mais cada ação do Homem é julgada por tudo e todos, o "Auto da Barca do Inferno" não fica indiferente à evolução dos tempos, justificando o porquê de ser uma obra ainda muito analisada no percurso escolar dos jovens.

 Ficha Artística

Encenação: Filipe Gouveia

Composição e música ao vivo: Paulo Pires

Interpretação: Bárbara Correia, Francisco Lima, Luísa Alves e Sara Maia

Conceção Plástica: Diogo Freitas

Desenho e Operação de Luz: Pedro Abreu

Músicos: Paulo Pires (piano); Luís Correia (baixo); Tiago Baldaia (Percussão)

Operação de Som: António Cardoso

Produção: AGON / Momento - Artistas Independentes

Coprodução: Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Auto da Barca do Inferno, written by Gil Vicente, for schools by Momento – Artistas Independentes.

Fado no Café da Casa - fevereiro | Casa das Artes de Famalicão


Fado no Café da Casa

Musica / Fado

9 de Fevereiro| quinta-feira | 21h30| café-concerto

Entrada: 3 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 1,5 Euros

M/6

Duração: 80 min

Uma coprodução da Casa das Artes de Famalicão e a ACAFADO – Associação Cultural & Artística Famalicão Fado.

1ª parte –  Pedro Ferreira

2ª parte – Patrícia Costa

Guitarra Portuguesa – João Martins

Viola de Fado – João Araújo

Viola baixo – Filipe Teixeira

Enaltecendo o Fado, a Casa das Artes irá celebrá-lo-á mensalmente e além de receber fadistas consagrados, será dada a oportunidade a novos intérpretes, músicos e até compositores. No Café Concerto decorrerão estas noites de fado, como se de uma típica e tradicional tasca de se tratasse, elevando e acompanhando o reconhecimento do “nosso” Fado, como Património Imaterial da Humanidade, atestado pela UNESCO.

A night with Fado in Café-concerto

SLR | Casa das Artes de Famalicão.

 


SLR

4 de Fevereiro | sábado|21h30 | Café-concerto

Musica

Entrada: 3 euros. Estudante, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir dos 65 anos): 1,5 Euros

M/6

Duração: 50 min

 Os SLR são um banda com influências de vários universos: um misto de Pop eletrónica com R&B melancólico, doce e eloquente. O duo é composto por Bruno Moreira (voz) e Luís Água (voz e teclas). Ambos são naturais do norte do país, mas têm trabalhado com produtores e compositores sem barreiras regionais, fruto da nova realidade digital. Iniciaram o seu percurso em 2018 com a single If you leave me, que captou a atenção dos media nacionais e internacionais. Em 2020 reforçam a sua presença na nova sonoridade da Pop eletrónica nacional com o lançamento de três novos temas. Voltam em 2022 com Are we really trying?, Finally e Losing que dá nome ao EP de estreia da banda.

A concert by SLR,  that presents the new EP, Losing

Nuestros Nombres | Casa das Artes de Famalicão


Nuestros Nombres

a partir da obra “Todos os Nomes” de José Saramago
Direção Artística e Interpretação: Filipa de Castro e Carlos Pinillos

Coprodução: Companhia Nacional de Bailado

Dança

3 de Fevereiro | sexta-feira | 21h30 | Grande Auditório

Entrada: 6 euros. Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir de 65 anos): 3 Euros

M/6

Duração: 80 min

Com o romance “Todos os Nomes” de José Saramago, surge a ideia de fusionar música e teatralidade em forma de crónicas dançadas. Transitar o universo dos seus personagens, questionar o posicionamento ético destes frente às oposições construção/desconstrução, verdade/mentira e vida/morte, sugere a Pinillos a possibilidade de conjugar a sua linguagem com a de outros coreógrafos em Nuestros Nombres. Recorre a uma proposta repleta de obras musicais, com o ponto de partida no período romântico acompanhado de Tchaikovsky, Rachmaninov, Liszt, Saint-Saëns ou Schubert, até chegar aos nossos dias com Astor Piazzolla. Desde o homem que se enamora de uma mulher desconhecida até ao destino inevitável de uma morte segura, tudo se encontra presente em Nuestros Nombres. Longe de se encerrarem no presente para falar do que somos o dos tempos que vivemos, Filipa de Castro e Carlos Pinillos, acompanhados pelo Trio Scherzo, propõem uma obra de caráter íntimo, demonstrando que a estética estilizada da dança clássica continua a ser um elemento poderoso de comunicação no momento de plasmar com honestidade a essência do que o ser humano sempre representou.

Ficha artística e técnica

Interpretação: Carlos Pinillos e Filipa de Castro
Concepção: Carlos Pinillos
Direção Artística: Carlos Pinillos e Filipa de Castro
Coreografia: Carlos Pinillos, Remi Wortemeyer, Andreas Heise, Carlos Labiós, Gonçalo Andrade
Piano: Mercedes Cabanach
Violino: César Nogueira
Violoncelo: Nuno Cardoso
Música: Tchaikovsky, Schubert, Piazzolla, Liszt, Carrapatoso, Schumann, J. S. Bach
Voz: Julio Martín da Fonseca, Leonor Pinto Coelho e Teresa Roque
Cenografia e Desenho de Luz: Carlos Pinillos
Figurinos: Carlos Pinillos, Micaela Oliveira, Sascha Thomsen e Remi Wortmeyer
Execução de Figurinos: Micaela Larisch
Produção: Filipa de Castro e Carlos Pinillos
Coprodução: Companhia Nacional de Bailado

“Nuestros Nombres”, a ballet that adapts “Todos os Nomes” by José Saramago

PaPI – Opus 9 - Coprodução da Casa das Artes com a Companhia de Musica Teatral | 2023

 


PaPI – Opus 9

Coprodução da Casa das Artes com a Companhia de Musica Teatral

 

PaPI-Opus 9 é uma viagem pelo mundo da água. Construída a partir da peça

mãe Aguário,  PaPI-Opus 9 é uma experiência para bebés e crianças pequenas

num formato de grande intimidade que estimula a escuta atenta e a interação.

A água, o elemento fundamental do cenário, é abordada como matéria artística

e lúdica que se pode moldar como traço, gesto, som, fluindo no tempo e no

espaço. A sonoridade da manipulação dos elementos cénicos cruza-se com

paisagens sonoras imaginárias construídas com sons gravados;  os pingos da

chuva, ondas do mar, fontes e rios, baleias e icebergs fazem parte duma

linguagem universal de que a voz e o movimento também fazem parte.

Conversas em “agualim”, um dos dialetos da música cujo dicionário está por

fazer e ainda bem.

 

Teatro Infantil

4 de Fevereiro |Sábado| 10h30 e 15h30 | Pequeno Auditório | Para Famílias

Entrada: 5 euros para adulto, com entrada livre para a criança

M/3

Duração: 45 min

  

Apresentações para escolas (sessões às 10h30 e 14h30)

 

1 e 10 de Fevereiro: Jardim de Infância de Vermoim;

2 de Fevereiro: Jardim de Infância de Joane;

3 de Fevereiro: Jardim de Infância de Requião;

6 de Fevereiro: Centro Social de Pousada de Saramagos;

7 de Fevereiro: Centro Social de Pousada de Castelões;

8 de Fevereiro: Jardim de infância Boca do Monte (Mogege);

9 de Fevereiro: Teatro Narciso Ferreira

 

 

Papi, a program for families, in a journey through the universe of water

Em parceria com o Museu de Cinema de Melgaço – Jean-Loup-Passek, e tomando como base a exposição que assinalou o centenário do nascimento de Fellini, uma exposição no foyer da Casa das Artes de Famalicão que reunirá cartazes, fotografias e desenhos do cineasta italiano | Casa das Artes de Famalicão


Título:
Federico Fellini – Il Maestro

Foyer, até  31 de Março de 2023

Federico Fellini, nascido em Rimini, antes de ser realizador foi desenhador, caricaturista, cartoonista: lugares de desenhos de personagens, gestos, expressões, cenários e sonhos. O desenho perdurou como parte do seu processo criativo e funcionava também como terapia. Um realizador visionário, então, em que muitas vezes os desenhos antecipavam o guião, o guarda-roupa, os cenários, a luz ou as características dos interpretes, servindo para familiarizar e aproximar os seus colaboradores da narrativa, da natureza e da identidade do filme. Os desenhos de Fellini eram uma antecipação fragmentada do filme. Os filmes, uma analogia da sua vida: todos transportam memórias, sonhos, historias e acontecimentos vividos ou sonhados por Fellini.

Em parceria com o Museu de Cinema de Melgaço – Jean-Loup-Passek, e tomando como base a exposição que assinalou o centenário do nascimento de Fellini, uma exposição no foyer da Casa das Artes de Famalicão que reunirá cartazes, fotografias e desenhos do cineasta italiano.

 

An exhibition devoted to Federico Fellini

sexta-feira, 23 de dezembro de 2022

Palhinhas, A História de um Espantalho | Casa das Artes de Famalicão

 

Palhinhas, A História de um Espantalho

Pela Companhia Krisálida

Teatro com marionetas para maiores de três anos

28 de Janeiro | Sábado| 11h00|15h00 |Pequeno Auditório

Entrada: 5 euros para adulto, com entrada livre para a criança

Duração: 45 min

Era uma vez um espantalho que encontrou uma tartaruga. Era uma vez uma casa-canudo que deambulava pelos oceanos. Um mar de plástico e um presidente escamudo. Um monte de resíduos e um bacalhau trombudo. No areal, vestígios da Humanidade. No fundo do mar, uma comunidade que se reinventa.

O Espantalho Palhinhas é uma aventura pelo universo marinho que se permite expor os efeitos nefastos da poluição do seu habitat, ecossistema imprescindível para a nossa sobrevivência. A partir da adaptação do conto O Espantalho Palhinhas de Cláudia Pereira, pretende explorar-se a pluralidade de opções que o lixo pode assumir, quando para ele olhamos de uma perspetiva útil e criativa. Através do conceito de upcycling, presente na sua vertente estética e pedagógica, este espetáculo é uma viagem pelo mundo da música e das formas animadas, onde o lixo pode ser tudo e tudo pode ser lixo.

Direção Artística e Encenação: Carla Magalhães

Interpretação e Manipulação: Raquel Ribeiro, Ricardo Ribeiro

Desenho de Luz: Rui Gonçalves

Criação Musical: Filipe Miranda

Marionetas/Formas Animadas: Miguel Tepes

Cenografia: Carla Rosário

Design Gráfico: Helena Soares

Produção: Krisálida

The Legendary Tigerman | Casa das Artes de Famalicão 2023


The Legendary Tigerman

28 de Janeiro | sábado | 21h30 | Grande Auditório

Musica

Entrada: 10 euros. Estudante, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir dos 65 anos): 5 Euros

M/6

Duração: 80 min

The Legendary Tigerman é o alterego de Paulo Furtado. Inspirado no velho formato de one-man-band nascido nas margens do Delta do Mississipi, é um conceito adaptado e vivido no Século XXI, com uma estética muito particular – ao formato analógico tradicional (bombo, prato de choque, guitarra) juntam-se, sem pudor, soluções electrónicas. O Tigerman vive sobretudo no palco e realiza regularmente Digressões em vários Países – Portugal, Espanha, França (foi o o primeiro português a actuar no Festival Trans Musicales de Rennes, importante rampa de lançamento a nível europeu), Suiça, Alemanha, Bélgica, Inglaterra, EUA, Japão (Fuji Rock Festival – 7 Espectáculos em três dias, no maior Festival do mundo), Brasil, México, China.

Este concerto assinala o regresso de Tigernan aos palcos e com banda, enquanto se aguarda a edição de um novo disco para 2023.

Um Homem Seu Criado | Casa das Artes de Famalicão 2023

 

Um Homem e o  Seu Criado

Uma produção Hipótese Contínua com Direção Artística de Cláudia Nova

Novo Circo

27 de Janeiro | sexta-feira | 21h30| Grande Auditório

Entrada: 4 euros. Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir de 65 anos): 2 Euros

M/3

Duração: 70 m

 

Dois homens nascem iguais. Dois homens morrem iguais. Entre o ponto Nascimento e o ponto B-Morte, duas linhas que se cruzam, entrelaçam, divergem ou convergem, duas personagens aparecem. Uma transforma-se num rei poderoso, inspirada na vida de Luís XIV, a outra, num criado que o acompanha ao longo da vida.

Soberba, o poder absoluto, poder ditatorial. Um homem só com os seus fantasmas e cheio de si mesmo. Um homem só com os seus castelos. Castelos de cartas. Construções frágeis, equilíbrios frágeis. Equilíbrios absolutos. Poder autoritário. Ensaio de poder. Como se mostra aos outros, como se faz obedecer. Solidão e medo.

 

Ficha Artística

Ideia Original e Direção Artística: Cláudia Nóvoa
Coreografia: Cláudia Nóvoa

Interpretação: Ariana Sebastião e Pedro Matias

Cenografia: Joana da Matta e Pedro Matias

Figurinos: Rita Olivença
Execução de Figurinos: Isabel Telinhos
Desenho de Luz: Cláudia Rodrigues
Fotografia e Vídeo: Susana Chicó
Música Original e Interpretação: Sílvio Rosado

Produção: Hipótese Contínua

Imagem Gráfica: Sebastião Rebolo