Casa das Artes e Teatro Narciso Ferreira

segunda-feira, 28 de novembro de 2022

Soundcheck | Casa das Artes de Famalicão

 








Soundcheck

Uma coprodução Teatro da Didascália, A Oficina, Casa das Artes de Famalicão, Teatro Aveirense, Circuito – Serviço Educativo Braga Media Arts, Cineteatro Louletano.
Teatro

14, 15 e 16 de Dezembro | quarta-feira (15h00, para escolas) | quinta e sexta-feira | 21h30| Grande Auditório

Entrada: 4 euros. Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir de 65 anos): 2 Euros

M/12

Duração: 60 m

 Não sabemos quem nasceu primeiro, se o Rock and Roll ou a brilhantina. Mas sabemos que ambos contribuíram, cada um à sua maneira, para uma revolução musical no século XX. Soundcheck é um espetáculo que reivindica o lugar da resistência para o centro do palco. Que assume a escuta como forma central de protesto. Que existe para lá da pressa da vida veloz, que resiste através da empatia, da solidariedade, da ação coletiva. É um abanar de anca em direção ao futuro, um rastilho em jeito de inquietação para as novas gerações.

UM, DOIS...SOM! enuncia um teste de som (SOUNDCHECK) e é a proposta que fazemos a um grupo local: preparar o som que o público vai ouvir. A cultura Rock é o pano de fundo desta oficina sobre identidade e atitude que pretende também promover o contato com os bastidores e linguagem de cena do espetáculo. Daqui resulta um tema musical que é ensaiado e interpretado pelos participantes que subirão ao palco.

 

Ficha Artística

Dramaturgia, encenação e interpretação: Bruno Martins

Assistência de encenação: Cláudia Berkeley

Direção musical: Pedro (Peixe) Cardoso

Interpretação musical: Pedro (Peixe) Cardoso / Pedro Sousa, Susie Filipe

Cenografia e figurinos: Catarina Barros

Direção Técnica e desenho de luz: Valter Alves

Operação de som: Mariana Guedelha

Programa de mediação: Vera Santos

Produção: Raquel Passos

Comunicação: Anaïs Proença

Fotografia de cena: Paulo Pimenta

Registo de vídeo e Parceria: Os Fredericos

Design gráfico: Rui Verde

Coprodução: Teatro da Didascália, A Oficina, Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, Teatro Aveirense, Circuito – Serviço Educativo Braga Media Arts, Cineteatro Louletano.

O Teatro da Didascália é uma estrutura financiada pela Direção-Geral das Artes – Ministério da Cultura

 

Soundcheck it’s a play that use the rock n’ roll and his history to claims the place of resistance in the center of the stage.

PELES INTERNATIONAL DRUM FEST 2022 | VII Ed. | Teatro Narciso Ferreira


 PELES INTERNATIONAL DRUM FEST 2022 | VII Ed.

10, 11, 13 dezembro

> 6

 Sinopse:

O Teatro Narciso Ferreira é parceiro da 7ª Edição do Peles – International Drum Fest, projeto focado no cruzamento de linguagens musicais associadas ao universo da percussão e a sua fusão com outros géneros musicais e géneros artísticos no domínio das artes performativas.  No dia 10 dezembro recebemos o teatro musical “Com certeza é uma Tasca Portuguesa”, nova criação de Gerson Batista, com a interpretação de Jorge Lima e Jonathan da Silva, e dia 11 dezembro a estreia da nova criação dos Atlantic Percussion Group, da dupla Tomás Rosa e José Afonso Sousa. A abertura da programação no TNF acontecerá dia 10 dezembro 16:00 no Café Concerto com a apresentação de dois livros: o primeiro é a edição em livro e áudio das obras Vencedoras da “1ª Edição do Concurso Internacional de Composição Para Percussão, Peles International Drum Fest” e o segundo “Estudo de acessórios de percussão orquestral - 1” de Tomás Rosa. Na área da mediação de públicos, a programação no TNF termina com 2 sessões para a infância pelos ODAIKO, (ES) dia 13 dezembro 10:00 e 14:30.

  Ficha Artística:

Direção Artística e Programação: Alberto Fernandes

Direção de Produção: Gabriel Salgado

Assistentes de Programação: José Afonso Sousa e Tomás Rosa

Direção Técnica: Manuel dos Reis / Afonso Lemos

Produção: Carlos Oliveira

Técnico de Som: Manuel dos Reis  

Técnico de Luz : Afonso Lemos

Produção Vídeo: Eduardo Carronda

Design e Grafismos: Katharina Leppert

Facilitadora na Comunidade: Departamento Social da CAISA

Facilitadora Educativa: TOCA-Academia de Artes Performativas de Joane  

Secretariado: Alexandra Soliz 

 

Produção: CAISA C.R.L. / CLAV-Centro de Laboratório Artístico de Vermil

Coprodução : TNF - Teatro Narciso Ferreira / Casa das Artes de Famalicão

Apoios: Municipio de Vila Nova de Famalicão, Municipio de Guimarães, União de Freguesias de Airão e Vermil

 

 Apresentação dos Livros: Obras Vencedoras da 1º Edição de Composição para Percussão PELES - International Drum Fest “ e Estudo de acessórios de percussão orquestral - 1 ” de Tomás Rosa.

Local: Café Concerto Teatro Narciso Ferreira

10 de dezembro 16:00

>6 / 35`

 

 teatro musical

 Com certeza é uma Tasca Portuguesa”  de Gerson Batista (PT)

Local: Sala Teatro Narciso Ferreira

10 de dezembro 21:30

>8 / 50`

 É COM CERTEZA UMA TASCA PORTUGUESA! É uma comédia musico-teatral psicadélica multimédia, com foco na música eletroacústica, representação e arte visual.  A ação desenrola-se na tasca de uma aldeia”, e em torno da junção de elementos do folclore português com a performance contemporânea, em muito inspirada na Revista à Portuguesa, que tem e como intervenientes o tasqueiro e o freguês. Ambos os personagens, com a sua razão e uma visão do mundo bastante peculiar, exploram elementos caricatos inspirados neste micro-ambiente, tão cheio de tiques e tradição, que é a taberna, onde o conhecimento e a ignorância bailam juntos, dando origem a uma cultura própria e rica em perspetivas únicas, num constante deambular entre o cómico, o caótico, o satírico e o filosófico, a ação acontece sempre a partir de situações interativas com os diferentes tipos de objetos existentes no set da tasca.

  Ficha Artística e Técnica:

Criação e Encenação: Gerson Batista

Interpretação: Jonathan da Silva e Jorge Lima

Desenho de Luz: Dino da Costa /António Costa

Cenografia Figurinos e adereços: Coletivo

Som: Gonçalo Garcia
Produção: Gerson Batista

 

  música contemporânea

Atlantic Percussion Group (PT)  estreia

Local: Sala Teatro Narciso Ferreira

11 de dezembro, 17:00

>6.  50`

Atlantic Percussion Group é um projecto interativo, onde o cruzamento das várias linguagens percutivas é uma constante, fazendo com que as suas produções nos transportem em viagens sonoras pelo imaginário humano. Exibem assim, um novo mundo que respira e está repleto de cores, sons e sensações que ecoam por toda a matéria. Esta formação nasceu em 2015 e conta já com 6 criações, tendo já tocado em vários festivais. Para esta formação já criaram vários compositores, como por exemplo, Ângela da Ponte, Jean François e Bernardo Lima. Estão ligados ao PELES, como projeto residente desde 2016 e em todas as edições apresentam uma nova criação. As suas performances são variadas e com eles já tocaram, Jorge Lima, Eduardo Cardinho, Sandro Mota, Paulo Mota, Ricardo Coelho, Staneck, Zè Stark, Jean François, Vitor Castro, Filipe Louro, Alex Rodrigues Lazaro, Fábio Rocha.

 Ficha Artística e Técnica:

Criação: José Afonso Sousa, Tomás Rosa

Interpretação: José Afonso Sousa, Tomás Rosa

Produtor e Direção Artística: Alberto Fernandes

Som: Manuel dos Reis

 

  concerto para a Infância

"CDC – COUSAS DE CATRO" / ODAIKO - Grupo de Percussão (ES)

Local: Sala Teatro Narciso Ferreira

13 de dezembro 10:00 e 14:30

>3 / 45`

 Sinopse:

Instrumentos do mundo da percussãoo contemporânea, elementos recém-criados, olhares cómicos e o jogo com efeito surpresa são a base deste espetáculo. Quatro são os elementos que definem este concerto didático que procura o engenho para retroalimentar e evoluir, e que o caminho da criação continue a despertar.

 Ficha Artística:

Interpretação: Juan Collazo , Pepe Varela, Antonio Ocampo

Mallu Magalhães - Esperança | Casa das Artes de Famalicão

 


Mallu Magalhães - Esperança

10 de Dezembro | sábado|21h30 | Grande Auditório


Mallu Magalhães Guitarra e voz
Cláudio Andrade - Teclado
Frederico Ferreira - Bateria

Musica

Entrada: 15 euros. Estudante, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir dos 65 anos): 7,5 Euros

M/6

Duração: 70 min

 Depois do grande ano que teve em 2018, com concertos nas salas mais emblemáticas do país, Coliseu de Lisboa e Porto e tendo passado por Madrid, Barcelona e Amesterdão onde se apresentou de voz e viola, Mallu Magalhães volta em força com um novo álbum, “Esperança”, produzido por Mario Caldato Jr., reputado produtor de nomes como Beastie Boys e Jack Johson, entre outros e videoclipes de Bruno Ilogti, realizador que já trabalhou com Anitta e Fergie. Depois da brilhante atuação no Campo Pequeno (Lisboa) em Dezembro de 2021, está já anunciada a sua atuação para o NOS Alive 2022, Festival MED, entre outros. Mallu Magalhães passou em Maio por Londres (Jazz Café), Amesterdão (Bitterzoet) e ainda Bruxelas (AB Club) e em Agosto passará por São Paulo (Tokio Marine Hall), Rio de Janeiro (Teatro Casa Grande) e Fortaleza (Festival Zepelim).

Fado no Café da Casa- Dezembro | Casa das Artes de Famalicão.

 


Fado no Café da Casa

Musica/ Fado

8 de Dezembro| quinta-feira | 21h30| café concerto

Entrada: 3 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 1,5 Euros

M/6

Duração: 80 min

 Uma coprodução da Casa das Artes de Famalicão e a ACAFADO – Associação Cultural & Artística Famalicão Fado.

 1ª parte–  Lurdes Silva

2ª parte – Pedro Fernandes Martins

Guitarra Portuguesa – João Martins

Viola de Fado – João Araújo

Viola baixo – Filipe Fernandes

 Enaltecendo o Fado, a Casa das Artes irá celebrá-lo-á mensalmente e além de receber fadistas consagrados, será dada a oportunidade a novos intérpretes, músicos e até compositores. No Café Concerto decorrerão estas noites de fado, como se de uma típica e tradicional tasca de se tratasse, elevando e acompanhando o reconhecimento do “nosso” Fado, como Património Imaterial da Humanidade, atestado pela UNESCO.

Música Séria Para Instrumentos de Brincar - Borealis Ensemble | Teatro Narciso Ferreira

 Música Séria Para Instrumentos de Brincar | Borealis Ensemble

Sessões para Escolas

7 dezembro, 10:00


> 6  / 45’ Composições de Camila S. Menino (2001), Francisco Ribeiro (2001), Hugo Ribeiro (1983), Sara Carvalho (1970) e uma criação colaborativa do Borealis Ensemble.

 Sinopse:

“Música a sério para instrumentos de brincar” é um projeto que combina criação e programação em torno de uma ideia central: a utilização de objetos, instrumentos e dispositivos normalmente associados ao jogo e à brincadeira, num contexto de produção artística. O recurso a instrumentos como o piano de brincar, flautas de bisel, ou até objetos comuns, tem-se constituído como uma alternativa à criação baseada em sonoridades e instrumentos convencionais. Serão apresentadas 5 obras para instrumentos convencionais, instrumentos de brincar, objetos e dispositivos eletrónicos criadas pelos compositores Composições de Camila S. Menino (2001), Francisco Ribeiro (2001), Hugo Ribeiro (1983), Sara Carvalho (1970) e uma criação colaborativa do Borealis Ensemble. A interpretação é do Borealis Ensemble, constituído por António Carrilho (flautas), Helena Marinho (teclados) e Luís Bittencourt (percussões e objetos), e o desenho de luz é de Emanuel Pereira. 

 Este projeto é financiado pelo programa Garantir Cultura - República Portuguesa.

 Ficha Artística:

 Compositores: 

Camila S. Menino (2001)

Francisco Ribeiro (2001)

Hugo Ribeiro (1983)

Sara Carvalho (1970)

 

Borealis Ensemble: 

António Carrilho: flautas

Helena Marinho: teclados

Luís Bittencourt: percussões e objetos

 

Desenho de luz: Emanuel Pereira

Design gráfico: David Matos

Técnico de áudio: António Branco

Produção e comunicação: Tatiana Vargas

 

Produção: Tatiana Vargas e La Nave Va Associação Cultural 

Coprodução: Teatro Narciso Ferreira / Armazém22/ Miso Music Portugal/ INET-md /Dias de Música Electroacústica

Financiamento: Garantir Cultura - República Portuguesa.

 

O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Uma História de Amor | Casa das Artes de Famalicão.

 


O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - Uma História de Amor

Coprodução: A Turma Casa das Artes de Famalicão e teatro Diogo Bernardes

Teatro para a infância

7 e 9 de dezembro | Quarta e Sexta-feira| 10h30 e 14h30 | Grande Auditório | Para Escolas

8 de dezembro |Quinta-feira| 18h00| Grande Auditório | Para Famílias

Entrada: 4 euros. Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir de 65 anos): 2 Euros

Entrada livre até à lotação da sala, nas sessões para escolas

M/6

Duração: 70 min

 Quando nos perguntam o porquê de tornar a esta obra tão abordada no último meio século respondemos com o único motivo possível: o amor. A história intemporal do Gato Malhado e da Andorinha Sinhá, escrita por Jorge Amado para o seu filho, é uma das mais bonitas ofertas que conhecemos. E é, em si, uma das mais bonitas histórias de amor. Quais Capuletos e Montéquios, o Gato e a Andorinha estão condenados a serem apartados e, por isso mesmo, condenados à tragédia, por uma questão de identidade de espécie. Um assunto pertinente nos dias que correm, numa história escrita antes dos dias que correm, para mostrar que a pertinência associada ao comportamento humano/animal não tem modas, correntes nem fases. O amor é o amor, o amor proibido é o amor proibido, já Shakespeare ou os Gregos falavam disso. Jorge Amado, criando uma analogia suavizada, sugere-nos a criação de um universo musical e visual que comporte a história e a leve à sua conclusão de forma bonita e enternecedora. Deste modo pretendemos impor no publico juvenil uma urgência de pensamento em relação ao difícil tema, quer para a sua criação e desenvolvimento enquanto seres humanos, quer para os adultos que lidarão e lidaram com o assunto em toda a sua vida. É a isso que nos propomos. Reforçamos, o amor, é o único e o central tema da obra, o será nova dramaturgia e o será do espectáculo.

Dramaturgia e encenação: António Afonso Parra

Composição da Música Original: João Grilo

Cenografia: Ana Gormicho

Figurinos: Pedro Morim

Desenho de Luz: José Diogo Cunha

Interpretação: André Júlio Teixeira, Bárbara Pais, Patrícia Queirós, Pedro Almendra, Pedro Daniel Silva

PLUTO | Teatro Narciso Ferreira

 


PLUTO

3 dezembro, 21:30

> 6 / 80’ 

Manel Cruz (voz e guitarra)

Peixe (guitarra)

Eduardo Silva (baixo)

Ruca (bateria)

Sinopse:

Os Pluto são uma banda do Porto, formada em 2002. Lançaram o primeiro disco, de nome "Bom dia" em 2004 que rodaram pelos palcos Portugueses durante dois anos. Em 2006 resolveram parar um pouco. Pouco esse que, por força das circunstâncias, durou até 2022. Embora de forma mais espaçada, nunca deixaram de fazer música e nunca perderam a esperança de se voltar a juntar como banda, o que acabou por acontecer, a pretexto de um concerto no festival “O Salgado faz anos Fest”. Desde então pegaram-lhe o gosto e decidiram voltar à estrada, começar a gravar músicas novas, assim como músicas que já tinham feito e nunca tinham sido gravadas. Tal como o seu primeiro single refere, é “só mais um começo”.

MUSICA PARA FAMÍLIAS 2022 - 5.º CICLO DE CONCERTOS PROMENADE DA CASA DAS ARTES DE FAMALICÃO- ARTAVE | Casa das Artes de Famalicão.

 


MUSICA PARA FAMÍLIAS 2022

5.º CICLO DE CONCERTOS PROMENADE DA CASA DAS ARTES DE FAMALICÃO

 6.ª Sinfonia de Beethoven (*) - ARTAVE (Vale do Ave – Famalicão, SantoTirso)

(*) Orquestra Sinfónica

 4 de Dezembro | 11h30 | Grande Auditório 

Entrada: 4 EUROS/ Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros

M/4 -Duração: 70 min

A Casa das Artes organiza em coprodução com a APROARTE- Associação das Escolas Profissionais de Música os Concertos para as Famílias 2022. Adotando o formato dos Concertos Promenade, de Maio a Dezembro, aos domingos de manhã, a grande música, tocada pelas Orquestras das Escolas Profissionais, e explicada com interação multimédia, será usufruída por todas as idades num ambiente descontraído e de grande qualidade artística.

Noite de Inverno - Estreia Texto e Encenação de Luís Mestre | Casa das Artes de Famalicão.

 


Noite de Inverno - Estreia

Texto e Encenação de Luís Mestre

Coprodução: Casa das Artes de Famalicão, Teatro Municipal do Porto e Teatro Nova Europa

Teatro

2 de Dezembro | Sexta-feira|15h00 | Pequeno Auditório (para escolas)

3 de Dezembro | Sábado|21h30 | Pequeno Auditório (para público geral)

Em complemento, realizar-se-á a Oficina Critique – Análise e Crítica Teatral, a 2 de Dezembro, às 11h30

Entrada: 6 euros. Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir de 65 anos): 3 Euros

M/14

Duração: 50 min

 Sinopse

Na terceira noite da Tetralogia das Estações, a identidade, as histórias e as suas origens são vagas. A pressão flutua à medida que o drama e os segredos se desenrolam e mudam a distribuição de energia. Memórias fracturadas, inventadas, manipuladas ou reais, fluem como uma corrente de ar. Não há distinções rígidas entre o que é real e o que é irreal, nem entre o que é verdadeiro e o que é falso. Em NOITE DE INVERNO, um texto biográfico, Luís Mestre desenha um percurso no território delicado entre as esferas pública e privada.

Em complemento, realizar-se-á a Oficina Critique – Análise e Crítica Teatral, a 2 de Dezembro, às 11h30

Ficha artística e técnica
Texto e encenação: Luís Mestre
Interpretação: Tânia Dinis
Espaço cénico e desenho de luz: Joana Oliveira
Espaço cénico e vídeo: Ana Joana Amorim
Operação de luz: Luís Ribeiro
Produção executiva: Patrícia do Vale

O Teatro Nova Europa é uma estrutura financiada pela República Portuguesa – Cultura |DGArtes – Direção-Geral das Artes

On the third night of the Tetralogy of the Seasons, “Noite de Inverno” by Luís Mestre

Cinema - CLOSE-UP Episódio 7.1 | Dezembro de 2022 e Janeiro de 2023 | Casa das Artes de Famalicão

 CLOSE-UP – Observatório de Cinema de Famalicão

 Episódio 7.1 –   Dezembro de 2022 e Janeiro de 2023

 De 15 a 22 de Outubro passado, em vários espaços da Casa das Artes e do Teatro Narciso Ferreira, projetou-se o sétimo episódio do CLOSE-UP, orientado pelo mote Família Cinema, no encontro da produção do presente com a história do cinema (ver www.closeup.pt).

Dividida pelos meses de Dezembro e Janeiro, apresentamos a primeira réplica deste episódio, com propostas para o público geral e a para as escolas:

(1) Para o público escolar, juntamos duas animações – MARY E A FLOR DA FEITICEIRA e OS MAUZÕES  - à ante-estreia de VIAGEM AO SOL, documentário construído sobre testemunhos de antigas crianças austríacas, enviadas no pós-guerra para Portugal;

(2) para o público geral, uma tarde de sábado, onde encontremos duas famílias cercadas: uma em viagem pelo Irão, em ESTRADA FORA, a outra, em ALCARRÀS, a defender uma exploração agrícola familiar na Catalunha.

 escolas

2.Dez – (10h00, 14h30 e 19h00) – VIAGEM AO SOL de Ansgar Schaefer e Susana de Sousa Dias (para escolas, 3.º ciclo e secundário) (com a presença de Ansgar Schaefer)

Viagem ao Sol é uma reflexão sobre crianças em situação de conflito e pós-conflito, e a potência do seu olhar em revelar realidades ofuscadas pelas narrativas oficiais. O filme parte de testemunhos de antigas crianças austríacas, enviadas no pós-guerra para Portugal, país poupado à Segunda Guerra Mundial. Usando só imagens de arquivo, Viagem ao Sol estabelece múltiplas ressonâncias com a Europa actual, onde o espaço para o Outro se tem vindo a reduzir drasticamente.

Título original: The Bad Guys (Portugal, 2021, 105 min)
Realização: Ansgar Schaefer e Susana de Sousa Dias

24.Jan – (10h00, Teatro Narciso Ferreira) – MARY E A FLOR DA FEITICEIRA  de Hiromasa Yonebayashi (para escolas, 1.º e 2.º ciclo)

Mary, de 11 anos, é uma menina inteligente e cheia de vida que está a passar as férias de Verão em casa da sua tia-avó. Aborrecida e sem nada para fazer, espera ansiosamente pelo início das aulas. Um dia, ao seguir o percurso de dois gatinhos, é guiada até um bosque onde encontra uma velha vassoura e uma flor que tem a particularidade de só desabrochar a cada sete anos. Ao tocar-lhes, um estranho feitiço é activado e a menina é levada numa maravilhosa aventura. Durante essa noite mágica, adquire poderes extraordinários que lhe vão permitir conhecer um mundo nunca visto. Produzido pelo estúdio de animação Studio Ponoc, um filme de animação com assinatura do japonês Hiromasa Yonebayashi (nomeado para o Óscar com "Memórias de Marnie") que se inspira na obra "The Little Broomstick", da escritora britânica Mary Stewart.


Título original: Meari to Majo no Hana (Japão, 2018, 95 min)
Realização: Hiromasa Yonebayashi
Classificação: M/6

 25.Jan – (10h00) – OS MAUZÕES  de Pierre Perifel (para escolas, 1.º e 2.º ciclo)

O Sr. Lobo, o Sr. Cobra, o Sr. Piranha, o Sr. Tubarão e a Sr.ª Tarântula tornaram-se lendários pelos mais diversos crimes, nunca desiludindo a sua legião de fãs. Mas a vida muda, as prioridades alteram-se e chega o momento por que ninguém esperava: o arrependimento de tantas malfeitorias e uma estranha necessidade de redenção. É assim que, com a ajuda do Professor Marmalade, resolvem seguir o caminho do bem. Mas o desafio, para quem levou a vida dedicada à vilania, é muito mais difícil do que poderiam imaginar. Produzida pela DreamWorks Animation e distribuída pela Universal Pictures, o filme inspira-se no livro infantil de Aaron Blabey.

Título original: The Bad Guys (EUA, Animação, 100 min, 2022)
Realização: Pierre Perifel
Interpretação (versão portuguesa): Nuno Markl, Joana Marques, Inês Lopes Gonçalves, Tomás Alves, Gabriela Barros e Manuel Marques
Classificação: M/6


  público geral

21.Jan – (15h30) – ESTRADA FORA de Panah Panahi (secção Família Cinema) – comentado por Carlos Natálio, crítico de cinema e professor universitário

Uma família caótica e terna em viagem por uma paisagem acidentada. Mas para onde vão? No banco de trás, o pai tem uma perna partida, mas está mesmo magoada? A mãe tenta rir mas mal consegue conter as lágrimas. O miúdo não pára de cantar. E todos estão preocupados com o cão doente e irritados uns com os outros. Apenas o misterioso irmão mais velho parece calmo. Estreia na realização do iraniano Panah Panahi – filho de Jafar Panahi, com quem costuma trabalhar –, esta comédia dramática acompanha uma família numa viagem de carro por terrenos pouco convidativos. São os pais, os dois filhos e as tensões dentro do carro que acabarão por emergir.

Título original: Jaddeh Khaki (Irão, 2021, 95 min.)
Realização: Panah Panahi
Interpretação: Pantea Panahiha, Hasan Majuni, Rayan Sarlak, Amin Simiar

Classificação: M/12

 


21.Jan – (17h30) – ALCARRÀS de Carla Simon (secção Família Cinema)

Há já três gerações que a família Solé sobrevive do cultivo de pessegueiros na pequena cidade de Alcarràs (Catalunha, Espanha). As suas vidas, até aí pacatas, mudam quando recebem uma notificação do senhorio que lhes dá até ao final do Verão para abandonar a terra. O proprietário dos terrenos tenciona arrancar todas as árvores para que ali possa ser feita a instalação de painéis solares. Essa notícia vai abalar todos os elementos da família que, apesar de muito unidos, têm formas diferentes de abordar o futuro ou de encontrar novas formas de sustento. Um drama sobre solidariedade e relações familiares realizado pela catalã Carla Simón – que, tal como no filme “Verão 1993”, se volta a inspirar na sua infância. Vencedor do Urso de Ouro no Festival de Cinema de Berlim, “Alcarràs” conta com um grupo de actores não-profissionais provenientes da região onde decorreram as filmagens.

Título original: Alcarrás (Espanha/Itália, 2022, 120 min.)
Realização: Carla Simón
Interpretação: Jordi Pujol Dolcet, Anna Otin, Xènia Roset, Albert Bosch





Classificação: M/12

Bilheteira Sessões
Geral: 2 euros
Cartão quadrilátero: 1 euro
Entrada livre: estudantes, seniores, associados de cineclubes

 Episode 7.1 of the Close-up, the Cinema Observatory of Famalicão, with a program for schools and for the public