Casa das Artes e Teatro Narciso Ferreira

quarta-feira, 22 de maio de 2024

àmostra Circo contemporâneo - 2024 | Casa das Artes de Famalicão


 àmostra

Circo contemporâneo

Coprodução Instituto Nacional de Artes do Circo / Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão.

Apresentação do primeiro trabalho profissional dos Alunos Finalistas do Instituto Nacional de Artes do Circo

25 de Junho a 29 de Junho | terça-feira a sábado | 21h30 | Grande Auditório

Artes do Circo/ Circo contemporâneo

Entrada: 4 euros. Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir de 65 anos): 2 Euros

25 Jun (terça-feira)

KABALETO
kriolu

kriolu kalabeto perdido nos seus próprios pensamento e ideias tenta encontrar uma paz interior no caminho de regresso para casa. tendo contacto novamente com as suas raízes revivendo a sua cultura , sentir a energia do seu país na música e na dança . o seu objetivo é percorrer "es caminho longe pa Cabo Verde "

NICOLÁS BUSTOS RIQUELME
número 3

Homenagem. Ego. Espaço. Três partes de uma história. A procura constante da simplicidade. Sem complicações ou inspirações poéticas, mas visuais, que pouco a pouco se entrelaçam e criam o que vais ver a seguir. Uma sequência de imagens em movimento, que pretendem gerar emoções apesar da sua simplicidade.

JULIA REMLEIN
In the course of our lives

Ao longo da nossa vida, temos realidades, características e prioridades diferentes. Mas que decisões fazem de nós os adultos que somos atualmente? O que é que aconteceu à criança que fomos? Aborrecidos. Stressados. Apanhados na realidade cinzenta da vida adulta, é difícil ligarmo-nos à alegria infantil que julgávamos perdida, mas que ainda trazemos dentro de nós. Giramos em círculos para tentar escapar ao nosso tédio, mas como é que o conseguimos?

CELIA ILISCH
Mirror Me: Beyond the Surface

Num mundo feito de espelhos é difícil esconder as próprias falhas. Quais são as expectativas que tens para ti mesmo? De onde vêm essas ideias? Vais partir com a pressão da sociedade ou será o espelho que se estilhaçará? “Mirror Me” é uma jornada de autodescoberta. Um comentário sobre os padrões de beleza da sociedade e as expectativas que a sociedade impõe às mulheres.

 

26 Jun (quarta-feira)

VASILIKI ANASTOPOULOU
Rising

Por vezes somos vítimas das nossas próprias ideias. Até o pensamento sobre quem realmente somos não é verdadeiro. Às vezes estamos a tentar encaixar-nos em moldes, outras vezes a quebrá-los.

ANDREA LAINEZ
Renacimiento

Um espetáculo que se desenrola dentro de uma realidade alterada de forma peculiar causada pela privação de sono. Este factor altera as hormonas que regulam o estado de espírito devido à sobreatividade neuronal. Levando o espectador a experimentar sensações estranhas; vivenciando experiências e sentimentos em loop. Representando de forma sensível através da música e do movimento desenvolvido a partir das possibilidades infinitas do malabarismo. Mostrando uma realidade alterada onde as leis da física não funcionam como deveriam; misturando movimentos corporais com lançamentos de hoops pelo ar e rebatendo em todos os lugares, deformando o círculo estabelecido. Uma peça de malabarismo distorcida que consegue alterar a percepção do espectador, provocando emoções confusas.

CRISTOPHER LEDEZMA
Entre Nó/S

Uma pessoa como outra qualquer, mas diferente. Cheia de coisas na sua cabeça pesada; na procura por manipular e lidar com os pensamentos e dar-lhes um fim. Impõe-se uma loucura entre o racional e o absurdo que con/corda nesta viagem para tentar sair desse enredo que parece ser um tudo um nó.

 

27 Jun (quinta-feira)

ALBA PUIGGRÒS
Casa di Tuky

O que há debaixo? Quando a sua casa está muito destruída, Tuky não se lembra mais do início da viagem. As contradições não lhe deixam encontrar a luz. Uma transição entre vidas, que se tentam reconectar. Não te enganes, isto é uma questão de NADA.

IVO ROCHA
‘Jack of Clubs'

"O que sucede quando o malabares e a magia se encontram? Essa é a pergunta que motiva sua pesquisa. Através da busca de um vocabulário em comum entre as técnicas, o artista convida o público a entrar em seu mundo, onde investiga as possibilidades de manipulação e interação entre o malabares, magia e o seu corpo.”

LAURA JANSEN
The one about aliens

The one about aliens explora a psique de uma pessoa raptada por alienígenas. Desde a fixação inicial na vida extraterrestre até à experiência surreal dentro de uma nave espacial, este trabalho convida os espectadores a contemplar a isolada realidade da incredulidade e as intenções curiosas dos visitantes extraterrestres. À medida que a narrativa se desenrola, promove uma compreensão mais profunda da psique humana no meio dos mistérios do cosmos.

IVANA GIRAULT
Signalétique - l'odyssée d'un agent de sécurité

Inspirado no que nos rodeia no dia-a-dia. Sinais e fitas de sinalização que se cruzam na rua sem prestar muita atenção. Um agente tem a missão de criar uma zona de segurança a partir desses simples objetos do quotidiano. Mas porque essa obsessão com a segurança? Para quem é que ele está a preparar esse espaço?

 

28 Jun (sexta-feira)

MELISSA HERRERA
Rito

Ela é a única pessoa que habita este lugar onde tudo é transparente. Cada objeto, som e movimento simboliza uma parte crucial de si mesma. Esta é a história de viver num corpo onde tudo pode ser visto, não há lugar para se esconder nem desculpas para não se mostrar. Cada coisa que morre e nasce é visível. Serias mais livre se tudo por dentro pudesse ser visto?

GABRIEL MARCHINI
CAIR=LEVANTAR

Já parou para pensar quantas vezes caímos e levantaste? quantas vezes estive em pé mas com a mente caída? E de que forma te levantaste? O meu cair é diferente do teu mas temos que nos levantar para continuar as nossas jornadas de vida. E quando será a próxima vez de nos levantarmos.

SIMON ROSENTAL
SENSE!full

'SENSE!full' é uma celebração de habitar o corpo humano. Uma mistura única de malabarismo, teatro e movimento. Um mergulho nos seus sentidos, expondo a sua própria sensibilidade radical.

NICOLA FANTON
"Who are You"?

A inércia da rotina faz-te entrar num ciclo vicioso que te leva a não saíres da tua zona de conforto, deixando-te sozinho/a questionar: "Who are You?".

 

29 Jun (sábado)

FELIPE ALGO
Ensaios sobre inspiração Op. 30

As ideias afetam-nos como parasitas. E se elas nos abandonam, sentimos-nos vazios. A inspiração é um dom divino, um delírio humano. Uma utopia fugaz e efêmera.

GEORGE SWATTRIDGE
5201314 or ‘I will love you for a lifetime’

5201314 são números que quando se fala em mandarim têm um som próximo à pronúncia de -Eu vou te amar para o resto da vida-. A obra é uma performance de circo contemporâneo com equilíbrio e manipulação de cadeiras, que decorre em um mundo misterioso onde tudo está exposto. O performer é vulnerável, mas curioso. Enquanto que ele tenta perceber o quê ou quem controla este mundo, estruturas e padrões se formam. Depois de alguma resistência ele começa a encontrar seu lugar entre tudo isso. A música é uma combinação de canções do falecido produtor pop experimental ‘SOPHIE’ e trilhas sonoras da franquia de videogame ‘Half Life’.

SARA ALÓS CASTELLANO
Cíclica

Abraçando uma viagem de escuta ao corpo e a sua natureza cíclica e animal, num sistema marcado pela pressa e a obrigação.

quinta-feira, 16 de maio de 2024

O PROTAGONISTA, estreia | Casa das Artes de Famalicão .

 O PROTAGONISTA, em estreia

Uma produção da Amanda, em coprodução com a Casa das Artes de Famalicão

Texto e encenação de Marta Freitas Almendra

14 e 15 de Junho| 21h30 | sexta-feira e Sábado | Grande Auditório



Entrada :6 euros. Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir dos 65 anos): 3 Euros
Teatro
M/12
Duração: 80 min

 Perante o estado das coisas na cultura e no mundo em geral, um grupo de actores dirige-se, todas as segundas-feiras (dia de fecho dos teatros), às 21h, a um consultório de psicodrama, para a consulta de grupo semanal. No pequeno palco entregam-se ao role-play das suas inquietações, frustrações, tristezas e inseguranças. Os encantos e desencantos do amor à arte, o reconhecimento da ilusão de um futuro glorioso, ou a excitação e a possibilidade do sonho, são os pontos de partida para cada sessão. Cada vez que um destes actores sobe ao(s) palco(s), perante o(s) público(s) da sua vida íntima, ficamos na dúvida se estamos perante o artista que fala realmente de si, ou se estamos perante o actor que interpreta a personagem que quer que os outros pensem que é. Uma mistura entre ficção e realidade, onde o protagonista actua num palco dentro de outro palco, para uma plateia que existe perante uma outra plateia.

Ficha Técnica

Texto e encenação: Marta Freitas Almendra

Interpretação: Luísa Osório, Mafalda Lencastre, Marta Freitas Almendra, Nádia Matos, Pedro Almendra, Pedro Mendonça

Cenografia e Figurinos: Catarina Barros

Desenho de Luz: Luís Silva

Sonoplastia: Fábio Ferreira

Música Original: Simão Raimundo

Assistência de encenação: Sônia Calejo

Produção: AMANDA

Apoio: DG Artes, Sociedade Portuguesa de Psicodrama

Fado no Café da Casa - junho | Casa das Artes de Famalicão

 Fado no Café da Casa

Musica/ Fado

13 de Junho| quinta-feira | 21h30| café concerto

Entrada: 3 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 1,5 Euros

M/6

Duração: 80 min


Uma coprodução da Casa das Artes de Famalicão e a ACAFADO – Associação Cultural & Artística Famalicão Fado.

 1ª parte –  Ana Sofia

2ª parte – Luísa Vilas Boas

Guitarra Portuguesa – João Martins

Viola de Fado – João Araújo

Viola baixo – Torcato Regufe

Enaltecendo o Fado, a Casa das Artes irá celebrá-lo-á mensalmente e além de receber fadistas consagrados, será dada a oportunidade a novos intérpretes, músicos e até compositores. No Café Concerto decorrerão estas noites de fado, como se de uma típica e tradicional tasca de se tratasse, elevando e acompanhando o reconhecimento do “nosso” Fado, como Património Imaterial da Humanidade, atestado pela UNESCO.

Recital de violino e harpa com Pedro Faria e Maria Miguel | Casa das Artes de Famalicão


Recital de violino e harpa

Pedro Faria e Maria Miguel

 Música

8 de Junho | Sábado | 18h00 | Pequeno Auditório

Entrada: 2 euros. Estudante, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir dos 65 anos): 1 Euros

M/6

Duração: 70 min

Programa:

C.P.E. Bach, Sonata em Sol Maior “Adagio un poco” (1762)

M. Tournier, Images Suite n.4: La Volière Magique
R. Glière, Concerto para Harpa Op.74 “Allegro moderato” (1938)

Maria Miguel Rodrigues e Mota – Harpa
Isolda Crespi Rubio – Piano


Szymanowski – Sonata para violino e piano Op.9
I. Allegro Moderato
II. Andantino tranquillo e dolce

Paganini – Capricho n°24
Manuel Ponce (arr. Heifetz) – Estrellita
Tchaikovsky – Valse scherzo, Op.34

Pedro Faria – Violino
Isolda Crespi Rubio – Piano

Pedro Faria - Nascido em 2003, começou os seus estudos musicais em Órgão com 3 anos de idade, com o Professor Sérgio Barbosa. Em 2012, ingressou no Centro de Cultura Musical, onde mais tarde foi admitido na ARTAVE. Durante os seus estudos, teve oportunidade de participar em masterclasses com violinistas como Arik Braude, Ole Bohm, Andrei Mijlin, Yuri Zhislin, Borika van de Boren and Augusto Trindade. Em 2021, foi premiado no Prémio Jovens Músicos, na categoria de música de câmara. Nessa área, tem trabalhado com Busch Trio, Robert Kulek, Dmitri Ferschtman, Michel Dispa, Peter Brunt e Caroline Strumphler. Atualmente, Pedro estuda no Conservatorium van Amsterdam na classe de Maria Milstein.

Maria Miguel - Começou a tocar harpa aos seis anos de idade na classe da professora Eleonor Picas no Conservatório Calouste Gulbenkian de Braga. Participou em vários estágios de harpa e várias masterclasses com harpistas notáveis. Participou em concertos de música de câmara e projetos orquestrais. Fez parte nas edições de 2013 e 2016 do Concurso de Harpa do Colégio de Nossa Senhora do Cabo em Lisboa, tendo ganho o segundo e primeiro prémios, respetivamente. Em 2014, ganhou o segundo prémio no Concurso Arpa Plus em Bilbau, Espanha. Maria Miguel foi admitida no Conservatório de Amesterdão em 2021, onde está atualmente a concluir a licenciatura sobre a orientação de Erika Waardenburg e Gwyneth Wentink.

quarta-feira, 15 de maio de 2024

23.º Aniversário da Casa das Artes da Casa das Artes de Famalicão


 

Canções de Liberdade - Orquestra de Jazz de Espinho Direção musical: Eduardo Cardinho e Paulo Perfeito e Vozes: Beatriz Alves, JP Simões, Marta Ren - MÚSICA PARA FAMÍLIAS 2024 _ 23.º Aniversário da Casa das Artes de Famalicão

 









MÚSICA PARA FAMÍLIAS 2024 _ 23.º Aniversário da Casa das Artes

7.º CICLO DE CONCERTOS PROMENADE DA CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO

 2 de Junho | 17h00 | Grande Auditório 

Entrada: 4 euros / Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros

M/6 -Duração: 80 min

Canções de Liberdade
Orquestra de Jazz de Espinho
Direção musical: Eduardo Cardinho e Paulo Perfeito 

Vozes: Beatriz Alves, JP Simões, Marta Ren Sob inspiração da “Revolução dos Cravos” e do cinquentenário que dela se celebra em 2024, a Orquestra de Jazz de Espinho apresenta mais um ambicioso projeto, lançando o repto a oito compositores para criar obras inéditas sobre canções icónicas que, à volta do globo, materializaram o protesto, a luta pela liberdade, a defesa dos direitos humanos, da justiça e dos mais elementares princípios da dignidade humana. De José Afonso a Nina Simone, de LLuis LLach à Liberation Music Orchestra, de Sérgio Godinho a Sam Cooke, o repertório deste concerto propõe uma visão da música como motor para a mudança, mediação coletiva, grito de liberdade.

 PROGRAMA

“Nkosi Sikelel’ I Afrika”
Enoch Sontonga / arr.
Carla Bley - Liberation Music Orchestra

“Ain't Got No, I Got Life”
Nina Simone / arr.
José Pedro Coelho

“Abril 74"
Lluis Llach / arr. Nazaré Silva

“Sunday Bloody Sunday”
U2 / arr.
Carlos Azevedo

“Todo Cambia”
Julio Numhauser / Mercedes Sosa - arr.
Daniel Bernardes

“A Change Is Gonna Come”
Sam Cooke / arr.
Paulo Perfeito

“Os Índios da meia praia” - “Grândola Vila Morena” (fusão)
Zeca Afonso / arr. Telmo Marques

“Liberdade”
Sérgio Godinho / arr. Estela Alexandre

“War” - “War Pigs” (fusão)
Edwin Starr - Black Sabbath / arr. Johannes Krieger

Herman & Quarteto_ 23.º Aniversário da Casa das Artes de Famalicão


Herman & Quarteto_ 23.º Aniversário da Casa das Artes

Música

1 de Junho |sábado| 21h30| Grande Auditório

Entrada: 10 euros. Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir dos 65 anos): 5 Euros

M/12

Duração: 90 m

 Os espetáculos do Herman são como as impressões digitais: não existem dois iguais. Num ritmo alucinante, as personagens dos seus mais de quarenta anos de vida artística são divertidamente evocados (Feliz & Contente, Serafim Saudade, Tony Silva, Maximiana, José Esteves, Nelo), juntamente com muitas e hilariantes estórias de carreira, entrecortadas com muito “stand up” e uma animada componente musical, onde não faltam os seus incontornáveis êxitos, do “Saca o Saca Rolhas” à “Canção do Beijinho”, do “Serafim Saudade” ao “Vamos Lá Cambada”, da “Cor Do Teu Baton” ao seu hino à folia “És tão boa, És tão boa”. Mais de hora e meia de imparável entretenimento, temperado por uma desconcertante capacidade de improviso, que faz de cada espetáculo uma experiência irrepetível, cuidadosamente adaptado aos públicos, aos horários e aos locais. Acompanhado por quatro músicos de luxo, Herman apresenta-se em palco numa versão mais impactante.

 Ficha artística

Herman José – Voz, piano, guitarra

Maestro Pedro Duarte - Piano

Nuno Fernandes - Viola-baixo

Sertório Calado - Bateria

Elmano Coelho - Saxofone

segunda-feira, 6 de maio de 2024

PELES INTERNATIONAL DRUM FEST 2024 30 abril e 4 maio | Teatro Narciso Ferreira

 

PELES INTERNATIONAL DRUM FEST 2024
30 abril e 4 maio

9ª Edição

 

estreia

  O Teatro Narciso Ferreira é parceiro da 9ª Edição do Peles International Drum Fest, projeto focado no cruzamento de linguagens musicais associadas ao universo da percussão e a sua fusão com outros géneros musicais e artísticos no domínio das artes performativas. No dia 30 de abril, contamos com a estreia nacional do espetáculo para a infância “O Cravo da Formiguinha Celeste“, texto de Lucie Tustain (FR) e Jacinta Silva (PT), com direção artística de Alberto Fernandes. No dia 4 de maio, a estreia da nova criação do PELES Ensemble, com o espetáculo “Voz do Maio” e com participação especial de um Coro Comunitário de aproximadamente 30 vozes, com a participação dos músicos Pedro Gonçalves de Oliveira, Vítor Castro, Marco Ferreira, Marisa Oliveira e com a participação e Direção Artística de Alberto Fernandes (CAISA C.R.L.).

 

Ficha Artística

Direção Artística e Programação: Alberto Fernandes

Direção de Produção: Gabriel Salgado

Secretariado: Alexandra Soliz

Direção Técnica: Manuel dos Reis 

Técnico de Som: Manuel dos Reis 

Produção Vídeo: CLAV-Centro e Laboratório Artístico de Vermil

Design e Grafismos: Bruna Bronzi

Facilitadora na Comunidade: Departamento Social da CAISA

Facilitadora Educativa: TOCA-Academia de Artes Performativas de Joane  

 

Produção: CAISA C.R.L. / CLAV-Centro de Laboratório Artístico de Vermil

Coprodução: TNF - Teatro Narciso Ferreira / Casa das Artes de Famalicão

Apoios: Município de Vila Nova de Famalicão, Município de Guimarães

  

O Cravo da Formiguinha Celeste

30 abril

terça

10:30 e 14:30

sessão para escolas

 M6 / 35min

música

 gratuito

 estreia-  Era uma vez uma formiguinha chamada Celeste que tinha um cravo encarnado. Ela foi o palmo e meio, uma voz doce com olhar brilhante, que fala hoje sem receio desse momento acutilante.”

A partir do texto de Lucie Tustain (FR) e Jacinta Silva (PT),  Alberto Fernandes e Pedro Gonçalves de Oliveira desenham e interpretam o ecossistema sonoro deste conto que retrata a narrativa do Cravo da revolução de abril de 1974 e o papel de Celeste Caeiro.

 Ficha Artística:

Direção Artística e Encenação: Alberto Fernandes

Texto: Lucie Tustain (FR) e Jacinta Silva (PT)

Direção Musical e Criação: Alberto Fernandes e Pedro Gonçalves de Oliveira

Cenografia e Figurinos: Beatriz Martins

Desenho de Luz: Paulo Ribeiro

Desenho de Som: Manuel dos Reis

Interpretação: Alberto Fernandes, Pedro Gonçalves de Oliveira,

 

 

Voz do Maio

Peles Ensemble

 música

 4 maio

sábado

21:30

sessão para público em geral

M6 / 50min

estreia

Público Geral: 2 euros. Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir de 65 anos): 1 Euros.

Aceitando o desafio lançado pelo diretor artístico do Peles International Drum Fest, Alberto Fernandes, surge mais uma vez o PELES Ensemble para a edição de 2024, reunindo cinco talentosos artistas que compartilham uma profunda paixão pela música.

Nesta colaboração coletiva, Alberto Fernandes, Pedro Gonçalves de Oleira, Vítor Castro, Marco Ferreira e Marisa Oliveira, embarcam juntos numa aventura pelo universo da "Voz do Maio", unindo-se na criação de um concerto em torno da temática da revolução de abril de 1974. Com trajetórias profissionais e estilos diversos, estes cinco músicos de excelência, acompanhados por um coro comunitário, utilizam a percussão e a voz, criando um espetáculo com novas texturas e atmosferas sonoras.

Ficha Artística:

Criação: Coletivo PELES Ensemble

Direção Musical e Criação: Alberto Fernandes

Desenho de Luz: Paulo

Desenho de Som: Manuel dos Reis

Interpretação: Alberto Fernandes, Pedro Gonçalves de Oliveira, Vítor Castro, Marco Ferreira e Coro Comunitário

quarta-feira, 24 de abril de 2024

Memorial do Convento - Momento Artistas Independentes- Estreia | Teatro Narciso Ferreira


 Memorial do Convento

Momento Artistas Independentes

estreia

teatro

M12 / duração 70’

sessão para escolas

21-23 maio terça a quinta

10h30 e 14h30

 24 maio . sexta

10h30

gratuito

 

sessão público em geral

24 maio . sexta

21h30

Público Geral: 2 euros. Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir de 65 anos): 1 Euros.

No âmbito de uma coprodução da Casa das Artes / Teatro Narciso Ferreira e o projeto educativo e cultural “De Famalicão para o Mundo” do Município de Vila Nova de Famalicão, será apresentado aos alunos do 12.º ano de escolaridade, do território de Vila Nova de Famalicão, a peça de teatro "Memorial do Convento” de José Saramago, pela Momento Artistas Independentes, com uma sessão para público em geral. Este projeto está inserido numa estratégia de mediação de públicos com a comunidade escolar do território, como forma de aproximação ao Plano Nacional de Leitura, provocando impacto emocional com a obra, para que esta chegue a todos e para que o olhar crítico e o prazer da arte seja de tod@s e percetíveis para tod@s.

 

“Ansiando por um filho que tarda, o rei D. João V é avisado por frei António de S. José.

O desejo real desencadeará uma epopeia, um esforço hercúleo de milhares de trabalhadores em todo o país. Unidos por Amor, Blimunda e Baltasar reúnem-se a Bartolomeu de Gusmão e ao seu sonho de voar. A passarola, máquina voadora, misto de barco e de pássaro, nasce do saber científico de Bartolomeu, da força de trabalho de Baltasar e dos poderes de Blimunda, recolhendo as vontades humanas (as ""nuvens fechadas""), que alimentarão a máquina e a farão voar. Sobre as obras do Convento de Mafra terá passado o Espírito Santo, dizem os padres e acredita o povo. Voar, nesse tempo, não sendo obra de Deus, só poderia sê-lo do demónio, e assim se anuncia o fim trágico das personagens protagonistas.”

 

 

Ficha Artística

Texto: José Saramago

Adaptação dramatúrgica: Diogo Freitas e Filipe Gouveia

Encenação: Diogo Freitas

Assistência de Encenação e de Produção: Filipe Gouveia

Interpretação: Luísa Alves, Pedro Oliveira, Tomás Bárbara e Sara Maia

Cenografia: Rita Cruz

Desenho e Operação de Luz: Pedro Abreu

Música e Composição Sonora: Cláudio Tavares

Fotografia de Cartaz e de Cena: Joana Sousa

Gestão Financeira: Cláudia Meireles

 

Coprodução: Casa das Artes de Famalicão / Teatro Narciso Ferreira

Produção: Momento – Artistas Independentes

A Momento – Artistas Independentes tem como principal parceiro financeiro o Município de Vila Nova de Famalicão.

 

Sandy Kilpatrick - California by Candlelight | Teatro Narciso Ferreira

 


Sandy Kilpatrick

California by Candlelight

 11  maio . sábado

21:30

música

M/6 . duração 60'

 Público Geral: 2 euros. Estudantes, Cartão Quadrilátero Cultural e Seniores (a partir de 65 anos): 1 Euros.

No seguimento do álbum anterior apoiado no universo eletrónico dos glaciares nórdicos, que estreou em 2023 no Teatro Narciso Ferreira, “California by Candlelight” é uma apresentação exclusiva do mais recente trabalho do artista anglo-famalicense Sandy Kilpatrick, inspirado nas paisagens e na história musical da Califórnia. Neste conjunto de canções, Kilpatrick regressa à guitarra acústica, o instrumento que o levou à música em primeiro lugar. Kilpatrick tem sido um fã de longa data de muita da música que surgiu da Califórnia desde os anos 70, um período lendário de composição que viu obras clássicas emergirem de grandes nomes como Van Morrison, Neil Young e Joni Mitchell. Mais recentemente, tem sido inspirado por uma vaga de compositores californianos que partilham a sua ligação espiritual à terra, como Ry X, que, tal como Kilpatrick, mistura uma delicada eletrónica com a guitarra acústica, evocando o calor nebuloso de Topanga Canyon.

Por vezes, não há melhor forma de sentir uma canção do que o som de uma bela melodia, uma história poderosa e uma guitarra acústica. Para este espetáculo imperdível, Kilpatrick será acompanhado por André Silvestre, João Robim e a convidada especial Aurora Miranda.

 Ficha Artística

Sandy Kilpatrick: guitarra acústica e voz

André Silvestre: piano, acordeão, vozes

João Robim: guitarra, banjo, ukulele, vozes

Aurora Miranda: violino, ukulele, vozes 

Close-Up 8.3 No Teatro Narciso Ferreira

 

Close-Up 8.3

No Teatro Narciso Ferreira

 




7 maio, terça às10:00

 cinema para escolas

gratuito

 CALAMITY de Rémi Chayé (versão portuguesa) 

Em meados do século XIX, a família de Martha Jane segue numa caravana de colonos pelo Oeste americano, em busca de um sonho e de um lugar para morar. Durante o percurso, o pai parte uma perna e ela, sendo a mais velha dos seis filhos, vê-se forçada a tomar as rédeas dos cavalos e conduzir a família ao destino final. Apesar de assustador para uma menina da sua idade, isso dá-lhe uma sensação de liberdade que nunca sentiu. Para melhor se adaptar às circunstâncias, Martha decide cortar o cabelo e usar calças de homem, o que vai criar um grande alvoroço na comunidade, ainda muito tradicional, que a começam a ver como uma calamidade. É assim que, de carácter intrépido e arraigado, surge a inesquecível e polémica Calamity Jane, uma pessoa fora do seu tempo que marcou a sociedade da época e se tornou famosa por todo o Oeste. Esta aventura animada que, em 2020, recebeu o prémio de melhor filme no Festival de Cinema de Animação de Annecy (França), tem realização de Rémi Chayé.

 Título original: Calamity, une enfance de Martha Jane Cannary (França/Dinamarca, 2020, 85 min.)

Classificação: M/6