segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Cinema na Casa das Artes ! Novembro / FILME Kingsman: O Círculo Dourado / FILME Lego Ninjago - O Filme – versão portuguesa / FILME Blade Runner 2049


Cinema na Casa das Artes



4 de novembro | sabado|18h00 e 21h30

Entrada: 2 EUROS/ Estudante e Cartão Quadrilátero Cultural: 1 euro

FILME Kingsman: O Círculo Dourado



Título original: Kingsman: The Golden Circle (EUA/Grã-Bretanha, 2017, 141 min.)
Realização: Matthew Vaughn
Interpretação: Taron Egerton, Colin Firth, Mark Strong, Jeff Bridges
Género: Comédia, Acção
Classificação: M/14

Depois da base de operações da Kingsman, em Londres, ser atacada e totalmente destruída, Eggsy — agora um agente em pleno direito – e o seu parceiro Merlin são enviados para os EUA para se juntarem aos Statesman, os seus homólogos norte-americanos. Liderados pelo agente Champ, os dois jovens britânicos vão-se ver obrigados a fazer equipa com Tequila, Ginger e Whiskey, três superagentes com métodos pouco ortodoxos. Agora, para que tudo corra como o esperado, eles têm de encontrar uma forma de superar as diferenças e assim derrotar Poppy, a pouco escrupulosa líder d’ O Círculo Dourado, a organização criminosa responsável pelo ataque aos Kingsman, que se prepara para dominar o mundo… Um filme de acção e aventura que continua a história contada em “Kingsman: Serviços Secretos” (2014), também da autoria de Matthew Vaughn ("Kick-Ass - O Novo Super-Herói", "X-Men: O Início"). O argumento, escrito por Vaughn e Jane Goldman, tem por base a banda desenhada "The Secret Service", criado por Dave Gibbons e Mark Millar. O elenco, de luxo, conta com a participação de Colin Firth, Taron Egerto, Mark Strong, Channing Tatum, Halle Berry, Jeff Bridges, Emily Watson, Pedro Pascal, Poppy Delevingne, Michael Gambon, Julianne Moore e ainda com uma participação especial de Elton John, numa versão ficcionada de si próprio.



11 de novembro| sábado | 15h00 e 18h00

Entrada: 2 EUROS/ Estudante e Cartão Quadrilátero Cultural: 1 euro

FILME Lego Ninjago - O Filme – versão portuguesa



Título original: The LEGO Ninjago Movie (EUA / Dinamarca, 2017, 101 min.)
Realização: Charlie Bean, Paul Fisher, Bob Logan
Interpretação: Olivia Munn (Voz), Justin Theroux (Voz), Jackie Chan (Voz)
Género: Animação, Comédia
Classificação: M/6

 Treinados por um sábio mestre ninja, os adolescentes Jay, Kai, Cole, Zane, Nya e Lloyd, têm como missão proteger a cidade de Ninjago de todo o tipo de criminosos. Mas o grande desafio será quando se virem obrigados a enfrentar o terrível Garmadon, um perigoso e egocêntrico vilão que, por infelicidade, é também o verdadeiro pai de Llyod. No entanto, para que isso seja possível, os seis companheiros terão de controlar os seus impulsos, manter-se unidos e seguir rigorosamente os conselhos do seu mentor… Com realização de Charlie Bean, Paul Fisher e Bob Logan, “Lego Ninjago: O Filme” é a nova aventura animada baseada nos brinquedos de construção da LEGO – mais precisamente na linha Lego Ninjago. Na versão original, as vozes são de Dave Franco, Justin Theroux, Fred Armisen, Abii Jacobson, Kumail Nanjiani, Michael Peña, Zach Woods, Olivia Munn e Jackie Chan. Na versão dobrada em português são de Miguel Guilherme, Tomás Wallenstein, Luís Barros, Rodrigo Paganelli, Marta Peneda, Francisco Rebelo de Andrade e Xana Toc Toc, entre outros.

29 de novembro| quarta | 21H30

Entrada: 2 EUROS/ Estudante e Cartão Quadrilátero Cultural: 1 euro

FILME Blade Runner 2049



Título original: Blade Runner 2049 (EUA/ Grã-Bretanha / Canadá, 2017, 163 min)
Realização: Denis Villeneuve
Interpretação: Harrison Ford, Ryan Gosling, Ana de Armas, Jared Leto, Mackenzie Davis
Género: Thriller

Trinta anos depois dos eventos do primeiro filme, um novo Blade Runner, o oficial da Polícia de Los Angeles K (Ryan Gosling), desenterra um segredo enterrado desde há muito tempo que tem o potencial de afundar o que resta da sociedade no caos. A descoberta de K leva a uma busca para encontrar Rick Deckard (Harrison Ford) um antigo Blade Runner da Polícia de Los Angeles que está desaparecido há 30 anos.

GUARDAS DO TAJ de Rajiv Joseph Com Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi | Teatro | 23, 24, 25, 26 de novembro na Casa das artes de Famalicão

GUARDAS DO TAJ de Rajiv Joseph
Com Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi
Teatro
23, 24, 25, 26 de novembro| Quinta, Sexta, sábado às 21h30 e domingo às 17h00 | Grande Auditório
Entrada: 18 euros / Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 9 Euros
M/12
Duração: 80 min
Encenação, tradução e idealização Rafael Primot
Com Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi
Produção: Plano 6 e Morente Forte
A curiosidade humana, a prepotência dos poderosos e a amizade entre dois homens são os temas centrais do espetáculo “OS GUARDAS DO TAJ”.
A história, baseada numa das muitas lendas que cercam o Taj Mahal, conduz-nos de uma forma brilhante a explorar a trama e a questionar conceitos como a amizade, a beleza e o dever.
Extremamente cómica e surpreendentemente trágica, a jornada destes dois amigos em “OS GUARDAS DO TAJ” leva-nos a questionar se vale a pena pagar um preço para atingir a perfeição.
Tudo isto, assim como o retrato da arbitrariedade do poder absoluto, torna “OS GUARDAS DO TAJ” um espetáculo fascinante para todos os tipos de plateia.
Encenação, tradução e idealização Rafael Primot

Com Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi

Produção: Plano 6 e Morente Forte
A curiosidade humana, a prepotência dos poderosos e a amizade entre dois homens são os temas centrais do espetáculo “OS GUARDAS DO TAJ”.

A história, baseada numa das muitas lendas que cercam o Taj Mahal, conduz-nos de uma forma brilhante a explorar a trama e a questionar conceitos como a amizade, a beleza e o dever.

Extremamente cómica e surpreendentemente trágica, a jornada destes dois amigos em “OS GUARDAS DO TAJ” leva-nos a questionar se vale a pena pagar um preço para atingir a perfeição.

Tudo isto, assim como o retrato da arbitrariedade do poder absoluto, torna “OS GUARDAS DO TAJ” um espetáculo fascinante para todos os tipos de plateia.

UM LIBRETO PARA FICAREM EM CASA SEUS ANORMAIS A partir de Rodrigo García e criação e encenação de Albano Jerónimo. Casa das Artes de Famalicão


UM LIBRETO PARA FICAREM EM CASA SEUS ANORMAIS
A partir de Rodrigo García e criação e encenação de Albano Jerónimo.
Uma coprodução entre o teatronacional21, o Teatro Nacional D. Maria II, a Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, Teatro Municipal do Porto, Projecto Crinabel Teatro,
composição musical / ópera 
17 e18 novembro  sexta-feira e sábado | 21h30 | Grande auditório
Entrada: 10 euros/ Estudante e Cartão Quadrilátero Cultural: 5 euros
M/14
Duração:  80 min

|

Na sua versão original, Tivessem ficado em casa seus anormaisde Rodrigo García, expunha, através de uma linguagem trôpega e violenta, histórias contadas através de um prisma pessoal.
A teatronacional21 parte deste texto, mas não se circunscreve a ele. Cruza um outro imaginário, o de Werner Herzog na sua obra-prima Fitzcarraldo: história de um alemão melómano, que enceta uma empresa de exploração de borracha para gerar lucro que lhe permita realizar o seu sonho, construir um Teatro de Ópera na Amazónia.
Neste espetáculo, Albano Jerónimo mistura estes dois universos para tecer a sua própria ficção: interpretar uma espécie de Fitzcarraldo que procura montar uma ópera em Portugal, na Casa das Artes de V.N.Famalicão . Nela, ensina aos músicos princípios revolucionários, ora para cumprir o seu "sonho" de melómano, ora para instigá-los a revoltarem-se contra a classe política nacional, neste besuntar permanente das palavras de Rodrigo Garcia com a música de Vitor Rua.  

Criando um jogo insolente, a fúria desta ópera combate a seriedade mórbida das máscaras sociais e a cristalização dos "lugares comuns". O "exagero" como medida justa e necessária, revela-nos, por fim, uma arte frágil, inquieta, de reflexão e de combate.

 Ficha Artística

a partir do texto de Rodrigo García
criação e encenação Albano Jerónimo
tradução e assessoria artística John Romão
libreto e adaptação Mickaël de Oliveira
intérpretes / músicos Albano Jerónimo* / Anabela Moreira, Ana Celeste Ferreira, Ana Lopes Gomes, Ana Rosa Teixeira, António Coutinho, António Parra, Carolina Sousa Mendes, Cláudia Lucas Chéu, Eliana Veríssimo, Helena Guerreiro, Joana Onório, Leonor Devlin, Luís Puto, Margarida Antunes, Maria Ladeira, Mickaël de Oliveira, Nuno Reis, Ricardo Gageiro, Rui Fonseca, Sofia Duarte Silva, Solange Freitas, Tiago Duarte, Vitor Rua
bailarinos Francisco Rolo / Gonçalo Andrade
composição musical / ópera Vitor Rua
cenografia e figurinos Tiago Pinhal Costa
execução de cenografia Felipe Dominguez
desenho de luz Rui Monteiro
vídeo OskarGaspar
assistência de encenação Cláudia Lucas Chéu
coordenação de produção Francisco Leone
produção executiva Luís Puto
produção teatronacional21
coprodução TNDM II, Casa das Artes de Famalicão, Crinabel, Teatro Municipal do Porto, Projecto Crinabel Teatro,
M/14

Espetáculo criado com o apoio da República Portuguesa / Cultura, Direção Geral das Artes

Vespa - Solo de Rui Horta na Casa das Artes de Famanlicão


Vespa - Solo de Rui Horta

Dança/ Performance

10 de novembro| sexta-feira| 21h30| Grande Auditório

Entrada: 8 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 4 Euros

M/16

Duração: 60 min

"Há coisas que temos dentro da cabeça. Como um zumbido a roer o pensamento". Estas são as primeiras palavras de Vespa, e aquelas que, nem sempre sendo ditas, transportam o mundo interior da criação: uns parênteses, um tempo parado onde cristalizamos e cuspimos o que nos transcende e atormenta, um instante que se expande para um tempo mais vasto.

Quando olho para os últimos meses nem sei bem porque decidi fazer esta obra... Provavelmente porque as coisas mais importantes são também as mais inexplicáveis e as menos racionais.

Tal como um serial killer que se esconde atrás dos seus crimes, também o criador se protege do olhar do público, escondido atrás das suas obras e dos seus intérpretes. A diferença é que este solo aconteceu assim, simplesmente, como uma possibilidade, uma fractal, uma marca fugaz, apenas isso. Um lugar desprotegido e, pelo menos no meu caso, por muito pessoal que seja, não é autobiográfico, não conta o homem e fala de futuro.

Quantos furacões de força 4 e quantos terramotos de grau 7 iremos enfrentar antes de falar das coisas mais simples e dos detalhes mais risíveis? Até Oscar Niemeyer, do alto dos seus 99 anos, e quando confrontado com a pujança da sua obra, apenas nos dirige um olhar cândido e frágil, mais profundo que qualquer palavra.



Coreografia, iluminação, interpretação - Rui Horta

Música original- Tiago Cerqueira

Participação especial - Tomé Galvão Fernandes

Aconselhamento artístico -Tiago Rodrigues, Marlene Monteiro Freitas

Apoio dramatúrgico - Pia Krämer, Mariana Brandão

Direcção técnica - Tiago Coelho

Direcção de produção e difusão- Mariana Brandão

Produção executiva - O Espaço do Tempo

Co-produção

Centro Cultural Vila Flor / Guimarães

Convento São Francisco / Coimbra

Teatro Aveirense / Aveiro

Centro de Arte de Ovar / Ovar

Hellerau Europäisches Zentrum der Künste / Dresden

Residência artística - O Espaço do Tempo

Agradecemos a : DanceXchange & International Dance Festival Birmingham

Concertos Promenade "Um Sopro de Estórias" - Orquestra da EPABI


MUSICA PARA FAMÍLIAS 2017

CICLO DE CONCERTOS PROMENADE DA CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO

"Um Sopro de Estórias"

José Martins - Balsamão (narrativa sinfónica para Banda)

Ferrer Ferran - El Quijote (fantasia sinfónica para narrador e banda sinfónica)

Nota: as obras serão narradas por Fernando Landeira, do Teatro das Beiras.

Orquestra da EPABI- Escola Profissional de Arte da Beira Interior (Covilhã)

5 de novembro | domingo| 11h30 | Grande Auditório 

Entrada: 4 EUROS/ Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros

M/4 -Duração: 70 min

A CASA DAS ARTES organiza em coprodução com a APROARTE - Associação das Escolas Profissionais de Música os Concertos para as Famílias 2017. Adotando o formato dos Concertos Promenade, aos domingos de manhã, nos meses de abril, maio, junho, novembro e dezembro, a grande música, tocada pelas Orquestras das Escolas Profissionais, e explicada com interação multimédia, será usufruída por todas as idades num ambiente descontraído e de grande qualidade artística.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Casa das Artes e Envolvente ! Outubro 2017


Casa das Artes e Envolvente

A) “Espreitar o Teatro em Família”

Traga os seus filhos, pais, avós e amigos e passe uma manhã animada e descontraída. Venha conhecer a Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão: percorra todas as áreas da Casa das Artes, mesmo aquelas às quais só os artistas tem acesso, vislumbre a exposição do Foyer da Casa das Artes. Ouça as histórias mais caricatas e entusiastas desta “aventura artística”, deste espaço artístico e cultural que celebra no presente ano o seu décimo quinto aniversário.

DOM 15 de outubro 2017

Sessões: 11h00

Local - Casa das Artes



B) Pedro e o Lobo

Musical com Marionetas

18 | quarta-feira| 10h30 |Salão Paroquial de oliveira Santa Maria.

Entrada:  livre á lotação da Sala

M/4

Duração: 50 min

Pedro era um brincalhão, só fazia asneiras. Não respeitava nada nem ninguém, chegando a enganar o seu melhor amigo, o bode velho. Um dia, enquanto guardava as ovelhas na serra, pôsse a gritar: – Lobo! Lobo! Lobo! – A aldeia em peso foi em seu socorro. Mas, não viram qualquer animal. Pedro fica a rir-se por tê-los enganado. Na semana seguinte, repetiu-se a cena e, como uma vez mais, não havia lobo nenhum, os aldeãos foram-se embora chateados com a brincadeira de Pedro. Passados tempos, aparece na serra um lobo. Este lobo, bem-falante, seduz o rebanho, explicando que é um lobo solitário, em vias de extinção e de como as alterações na natureza o empurraram para longe do seu habitat natural. Pedro, não encontrando o rebanho, grita aflito por socorro, ao qual ninguém acode.



Texto e Encenação | Luiz Oliveira

Interpretação | Luiz Oliveira; Rita Calatré; Vítor Fernandes

Música Original e Pianista | Rui Souza

Bonifrates e Figurinos | Susana Morais

Coreografia | Daniela Ferreira

Cenografia | Xico Alves

Grafismo | Fedra Santos

Desenho de Luz | FM e Fernando Oliveira

SÍNDROME - COMPANHIA OLGA RORIZ | Casa das Artes de Famalicão


SÍNDROME
COMPANHIA OLGA RORIZ

Dança
28 de outubro| sábado | 21h30 | Grande auditório
Entrada: 10 euros/ Estudante e Cartão Quadrilátero Cultural: 5 euros
M/12
Duração: 1h20 min
Fotografias de Paulo Pimenta.




Síndrome sucede a Antes que matem os Elefantes
como um mal estar que se instala, uma doença
crónica, um vírus...
Homens e mulheres de cal, numa cidade em
guerra, carregam as memórias dos gestos.
Perde-se a razão ou o sentido para viver ou morrer.
Resta mudar de rumo, de roupa, de atitude.
Come-se pão, fala-se sobre a dignidade humana,
sobre a solidão.
Canta-se, beija-se, fuma-se... e o tempo de tão real
torna-se simbólico.
O pó infiltra-se em todos os cantos, penetra nos
pulmões e por fim instala-se na alma.
Vive-se a verdade, as expectativas, as aspirações e
desencantos.
Baralham-se as convenções, e faz-se daquele lugar
um outro, ou apenas um palco a existir como tal,
numa relação entre o ser humano, o tempo, o
espaço e a matéria.
Naqueles corpos desistidos o mundo imprime-se
no olhar, no rosto, no corpo.
Haverá uma voz que grita na penumbra, outra que
emudece ao canto do sofá, ambas no vazio, na
solidão...
Olga Roriz | 8 Nov. 2016

DIREÇÃO | Olga Roriz
INTÉRPRETES | André de Campos, Beatriz Dias, Bruno Alexandre,
Bruno Alves, Carla Ribeiro, Francisco Rolo, Marta Lobato Faria
SELEÇÃO MUSICAL | Olga Roriz e João Rapozo
CENOGRAFIA E FIGURINOS | Olga Roriz
DESENHO DE LUZ | Cristina Piedade
VÍDEO E PÓS-PRODUÇÃO ÁUDIO | João Rapozo
MONTAGEM E OPERAÇÃO DE LUZ | Rui M. Simão
MONTAGEM E OPERAÇÃO DE SOM | Ponto Zurca
COMPANHIA OLGA RORIZ
DIRETORA E COREÓGRAFA | Olga Roriz
PRODUÇÃO E DIGRESSÕES | Ana Rocha
GESTÃO | Patrícia Soares
FOR DANCE THEATRE E RESIDÊNCIAS | Lina Duarte

CLOSE-UP - Observatório de Cinema 2.º episódio, de 14 a 21 de Outubro na Casa das Artes de Famalicão | CINEMA PARA ESCOLAS

CINEMA PARA ESCOLAS
Um filme de Chaplin pode falar para vários públicos, pode dar-se a ver o vagabundo e o burlesco, mas também um mundo entre duas guerras, as alterações sociais e o mundo do trabalho. Sessões para todos os escalões etários presentes na escola, todas comentadas em função do ciclo pretendido (por académicos, jornalistas, realizadores e por Isabel Ruth, umas das grandes actrizes do nosso cinema), com muito cinema de animação (incluindo uma masterclasse com as animadoras Joana Nogueira e Patrícia Rodrigues), e obras incontornáveis de Chaplin, Erice e Paulo Rocha.

O ESPÍRITO DA COLMEIA de Victor Erice _ 16 de Outubro
(10h00, PA _3.º ciclo e secundário / 15h00, PA_ professores)

TEMPOS MODERNOS de Charlie Chaplin _ 17 de Outubro
(10h00, GA _1.º ciclo / 15h00, GA_2.º e 3.º ciclos)

A MINHA VIDA DE COURGETTE de Claude Barras _ 18 de Outubro
(10h00, GA _1.º e 2. ciclos / 15h00, GA_1.º e 2.º ciclos)

PRONTO, ERA ASSIM de Joana Nogueira e Patrícia Rodrigues _ 19 de Outubro
Com masterclasse das realizadoras (15h00, GA_1.º e 2.º ciclos)

O RIO DO OURO de Paulo Rocha _ 20 de Outubro
(10h00, GA _3.º ciclo, secundário e audiovisual)

O PREÇO DA FAMA de Xavier Beauvois _ 20 de Outubro
(15h00, PA _3.º ciclo, secundário e francês)


- O ESPÍRITO DA COLMEIA de Victor Erice _ 16 de Outubro
Sessão incluída no projecto CinEd, em parceria e comentado pela equipa de Os Filhos dos Lumière.
10h00, PA _sessão para alunos do 3.º ciclo e secundário, incluindo introdução e debate após a projecção
15h00, PA_ sessão para professores, que inclui a oficina “O Cinema por Dentro”: Workshop de
sensibilização à linguagem e matéria do cinema, a partir da visualização, aná lise e discussão de filmes, do ponto de vista da criação cinematográfica, coordenado pela Associação Os Filhos de Lumière. São lançadas pistas de trabalho sobre uma pedagogia de educação para o cinema, adaptável a diferentes idades, regiões, lugares, meios, utilizando múltiplos recurso pedagógicos produzidos no âmbito dos programas de cooperação europeia (e internacional) de educação ao cinema: CinEd, Moving Cinema e Cinema, Cem Anos
de Juventude.
Título original: El Espíritu de la Colmena (Ficção, Espanha, 1973, 95 min.) M/12
Um dos melhores filmes espanhóis de sempre, construído à volta do mito de Frankenstein, recriado no espírito de uma criança, após ver o filme de Whale no cinema ambulante, e que se desenvolve na
atmosfera deprimente do campo espanhol, nos anos que se seguiram ao fim da guerra civil. [Cinemateca Portuguesa]

- TEMPOS MODERNOS de Charlie Chaplin _ 17 de Outubro
(10h00, GA _1.º ciclo _ comentado por Carlos Natálio)
(15h00, GA_2.º e 3.º ciclos _ comentado por Luísa Veloso)
Título original: Modern Times (Ficção, EUA, 1936, 85 min.) M/16
Realizado em 1936, é um dos filmes mais significativos de Charles Chaplin. A sua obra sobre a luta
entre as máquinas e o homem, na busca do caminho para a felicidade. O Vagabundo procura ganhar a
vida trabalhando numa linha de montagem numa fábrica gigantesca. Mas está sempre a arranjar confusão e vai vivendo uma série de peripécias que o conduzem ao hospital e várias vezes à prisão. No entanto, essas peripécias conduzem-no também a uma jovem rapariga, cujo pai foi morto numa greve e por quem ele se apaixona. O Vagabundo e a rapariga juntam-se para enfrentar juntos as dificuldades da vida.

 - A MINHA VIDA DE COURGETTE de Claude Barras _ 18 de Outubro
(10h00, GA _1.º e 2. ciclos _ comentado por Joana Nogueira)
(15h00, GA_1.º e 2.º ciclos _ comentado por Vanessa Ventura)
Título original: Ma vie de Courgette (Animação, Suiça/França, 2016, 65 min.) M/6
Courgette é a alcunha de Ícaro, um rapazinho de nove anos que, após a morte da mãe, é enviado para
um orfanato. Apesar das circunstâncias trágicas que o levaram até ali, é exactamente nesse lugar que o pequeno vai encontrar o seu lugar no mundo. Ao seu lado terá Raymond, o polícia encarregue do seu caso que se tornou um grande amigo, assim como Simon e Camile, dois órfãos que, tal como ele, se viram subitamente sós e com quem vai partilhar os mesmos sentimentos de luto, tristeza e raiva, mas também a alegria das brincadeiras e a esperança de encontrar um novo lar…Primeira longametragem do suíço Claude Barras, um filme de animação em "stop motion" estreado na edição
de 2016 do Festival de Cinema de Cannes, foi nomeado para o Óscar de Melhor Filme de Animação.

- PRONTO, ERA ASSIM de Joana Nogueira e Patrícia Rodrigues _ 19 de Outubro
Com masterclasse das realizadoras (15h00, GA_1.º e 2.º ciclos)
Título original: Pronto, Era Assim (Animação, Portugal, 2015, 15 min.) M/6
Por uma janela entreaberta, duas moscas descobrem um sótão empoeirado, onde são surpreendidas
pelos objetos que nele habitam – Balança, Caixa de Música, Cafeteira, Jarra e Microfone. Em modo de entrevista e de forma descontraída os protagonistas contam episódios da sua vida: como foi crescer, namorar, casar, trabalhar e até emigrar, num tempo em que a maneira de viver era diferente. Executado em stop motion e complementado com animações 2D, realizado no âmbito da Academia RTP 3.0.

- O RIO DO OURO de Paulo Rocha _ 20 de Outubro
(10h00, GA _3.º ciclo, secundário e audiovisual _ comentado por Isabel Ruth)
Título original: O Rio do Ouro (Ficção, Portugal, 1998, 100 min.) M/12
António, um velho patrão de um barco-draga, e Carolina, uma velha guarda-cancela, casam-se. Um dia, Mélita, a sobrinha, cai ao Rio do Ouro e António salva-a. O velho sente-se atraído pela rapariga e
Carolina fica com ciúmes. Num comboio, Zé dos Ouros, um cigano vidente, tenta vender um colar a
Mélita, mas tem uma visão sobre uma vida passada da rapariga: ela matou o amante e pintou com
sangue o quarto onde se encontravam. Aterrado, Zé foge, mas Carolina vai atrás dele.

- O PREÇO DA FAMA de Xavier Beauvois _ 20 de Outubro
(15h00, PA _3.º ciclo, secundário e francês)
Título original: La Rançon de la Gloire (Ficção, França/Bélgica, 2014, 105 min.) M/12
Suíça, finais da década de 1970. Eddy Ricaart é libertado da prisão e recebido por Osman Bricha, um
grande amigo. Como ambos se encontram num momento particularmente difícil das suas vidas,
decidem fazer um acordo: Osman acolhe-o em sua casa e, em contrapartida, Eddy cuidará da pequena
Samira, a filha de Osman, enquanto a mulher está no hospital. Quando a morte de Charlie Chaplin é
anunciada na televisão - assim como a enorme fortuna que deixou à família -, Eddy encontra aí a
solução para os problemas económicos de ambos: assaltar o cemitério onde Chaplin foi enterrado,
roubar o caixão e pedir um resgate. Porém, nem tudo corre como o esperado…

CLOSE-UP - Observatório de Cinema 2.º episódio, de 14 a 21 de Outubro na Casa das Artes de Famalicão | Noite de enceramento - REINALDO FERREIRA – Três curtas-metragens -Filme-concerto pelos DEAD COMBO (uma encomenda do CLOSE-UP)


 noite de ENCERRAMENTO
(21h30, GA) - REINALDO FERREIRA – Três curtas-metragens (70 min, M/12)
Filme-concerto pelos DEAD COMBO (uma encomenda do CLOSE-UP)
Reinaldo Ferreira Imaginou entrevistas com Mata-Hari e Conan Doyle, enviou reportagens da “Rússia dos sovietes” sem nunca lá ter posto os pés, criou um dos primeiros detectives de gabinete da literatura policial, deu forma a uma galeria interminável de heróis de folhetim, fundou jornais, realizou filmes, previu, ao jeito de Júlio Verne, como seriam Lisboa e o Porto no ano 2000. Reinaldo Ferreira. R de realidade e F de ficção. Os 38 anos da sua breve passagem pelo mundo foram vividos à beira do delírio, com a morfina a ajudar. Um tipógrafo distraído inventou a alcunha que o iria consagrar: Repórter X.

(1) Rita ou Rio (1927, 41min); (2) Vigário Sport Club (1927, 9min); (3) Hipnotismo ao Domicílio (1927, 18min)

A música dos Dead Combo é indissociável dos espaços (físicos, mitológicos) que a geraram. Sem letras nem palavras, o duo de Tó Trips e Pedro Gonçalves canta com uma clareza desarmante o Tejo e Lisboa, Portugal e o Mediterrâneo, uma África idealizada e a vastidão da América, imaginada em Itália nos westerns de Morricone, majestosamente filmada por Wim Wenders e tocada por Ry Cooder. Para cantarem estes retratos, repita-se, não precisam de uma voz. Precisam apenas de uma guitarra e um contrabaixo que, informados por uma certa vivência do rock'n'roll, conjuram anos e anos de música e atravessam continentes, reunindo o fado e os blues na mesma canção. Neste filme-concerto serão acompanhados por músicos convidados.

Bilheteira Filme-concerto
Geral: 6 euros
Cartão quadrilátero, estudantes, seniores, associados de cineclubes: 3 euros

CLOSE-UP - Observatório de Cinema 2.º episódio, de 14 a 21 de Outubro na Casa das Artes de Famalicão | Worskhops


Workshops (inscrição prévia)Duração do filme + 90 min de workshop
Bilheteira Workshops Famílias
Adulto + Criança: 5 euros


 - KUBO E AS DUAS CORDAS de  Travis Knight_ - Workshop em ORIGAMI pela Casa ao Lado |15 de outubro - (15h30, GA)


- O MENINO E O MUNDO de Alê Abreu _ Com Workshop O FILME QUE EU DANÇO por Pedro Carvalho | 21 outubro - (16h00, GA)


CLOSE-UP - Observatório de Cinema 2.º episódio, de 14 a 21 de Outubro na Casa das Artes de Famalicão | Noite de abertura  - O HOMEM DA CÂMARA DE FILMAR de Dziga Vertov Filme-concerto pelos SENSIBLE SOCCERS (uma encomenda do CLOSE-UP)

Noite de abertura
Bilheteira Filmes-concerto (Sensible Soccers) + Grand Father´s House)
Geral: 6 euros
Cartão quadrilátero, estudantes, seniores, associados de cineclubes: 3 euros

- (21h30, GA)
 O HOMEM DA CÂMARA DE FILMAR de Dziga Vertov
Filme-concerto pelos SENSIBLE SOCCERS (uma encomenda do CLOSE-UP)
Título original: Chelovek s kino-apparatom (Documentário/Experimental, URSS, 1929, 65 min.) M/12
O Homem da Câmara de Filmar é um autêntico manifesto de Dziga Vertov, o realizador mais radical e futurista da vanguarda soviética dos anos 20. Cinema de montagem, que recusa a trama narrativa, o actor e os intertítulos, cinema da "câmara-olho" (kino-glaz), mais perfeita do que o olho humano. De ressaltar as contribuições de Mikhail Kaufman na fotografia e de Elizaveta Svilova, mulher de Vertov, na montagem. Um "filme ‘ao contrário', com uma expressão fabulosamente ritmada", na opinião de Jean Rouch, para quem Dziga Vertov "era antes de mais nada um poeta, o documentarista das festas revolucionárias", que acabou por ser "rejeitado pela sua sociedade." Texto: Cinemateca Portuguesa
A sonoridade dos Sensible Soccers incorpora estéticas muito variadas. Sem esconderem o gosto pelas melodias pop, fogem ao formato tradicional de canção, optando maioritariamente por estruturas e arranjos em progressão. O seu primeiro registo data de 2011, ano em que também se estrearam nas vibrantes actuações ao vivo. Depois do primeiro álbum de originais, "8", e de uma incursão performativa com a artista visual Laetitia Morais, editaram em Março de 2016 o seu mais recente trabalho, "Villa Soledade".

- (23h55, Café-concerto)
Grand Father´s House convidado especial Adolfo Luxúria Canibal
Apresentação disco seu terceiro disco - “Diving” -, resultado de uma residência artística no espaço GNRation (Braga) contando com as participações de Adolfo Luxúria Canibal, Nuno Gonçalves e Mário Afonso, na voz, teclados e saxofone, respetivamente.


CLOSE-UP - Observatório de Cinema 2.º episódio, de 14 a 21 de Outubro na Casa das Artes de Famalicão | Exposição de Fotografia de André Principe


O PERFUME DO BOI – Exposição de Fotografia de André Príncipe
14 de Outubro ( inauguração 15h00) a 30 de Novembro [foyer]
 
O Perfume do Boi, de André Príncipe, foi fotografado durante uma viagem de três meses pelas fronteiras Portuguesas. O forte sentido narrativo da série é acompanhado pela sensação de que talvez não haja uma história. Estamos fora das cidades, nos campos, nas florestas, em pequenos circos, com lunáticos e acrobatas. Imagens de animais e pessoas aparecem ao lado de outras de elementos naturais, causando uma sensação de perigo eminente. Há uma aura de profecia e mito e ficamos com o eco de um grito distante na noite. Acerca da série, Príncipe disse: " Os cinco elementos Japoneses são, por ordem de importância - Terra, Água, Fogo, Vento e Vazio". Foi lançado livro com o mesmo nome – o terceiro duma série que tem vindo a ser publicado pela Pierre von Kleist editions.

CLOSE-UP - Observatório de Cinema 2.º episódio, de 14 a 21 de Outubro na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão


CLOSE-UP - Observatório de Cinema
2.º episódio, de 14 a 21 de Outubro na Casa das Artes de Famalicão
A Viagem

No documentário preparatório do filme Nostalgia, o poeta Tonino Guerra conta a Andrei Tarkovsky a história de um professor de artes que pedia aos seus alunos que desenhassem uma circunferência tendo na outra mão uma esfera de ferro. A esfera que Tonino Guerra põe numa das mãos de Tarkovsky em Tempo de Viagem tem o peso do mundo. Com as suas texturas, variações e ritmos circadianos. Onde começa a Viagem começa também o Cinema. Tarkovsky enfatiza a importância dessa continuidade entre a vivência do autor e a criação cinematográfica. Entre o interior e o exterior. A Viagem é nesta segunda edição do Observatório o mote organizativo transversal às diferentes secções temáticas. A Viagem que nos atravessa através do Cinema. A Viagem que atravessamos através do desconhecido e do espanto. Através dos percursos que traçamos na terra e dos rastos que nos deixam e deixamos.

As noites de abertura e encerramento deste 2.º episódio apresentam filmes-concerto em estreia, viagens a formas primitivas e (falsamente) arcaicas, encomendas do Observatório de Cinema: o manifesto vanguardista de Vertov, O Homem da Câmara de Filmar, pelos aventureiros Sensible Soccers; três curtas de Reinaldo Ferreira, o Repórter X, pela instituição Dead Combo, guitarra de Tó Trips e o contrabaixo de Pedro Gonçalves, uma paisagem cinema.

O itinerário para as Histórias do Cinema cruza caminhos da Europa-América: a subida aos céus e a excursão ao gelo soviético de Larisa Shepitko (com o parceiro Klimov); a adaptação cinematográfica pela dupla WendersHandke, uma das mais notáveis colaborações entre escritor e cineasta; com o Cinema de Lynch a apossar-se por estes dias da televisão, um documentário vida-arte e a reposição de estradas perdidas, o prólogo para Twin Peaks e a circular com vista para a terra da luz e das sombras. A secção Fantasia Lusitana, panorama de produção portuguesa, apresenta-se no feminino: Anabela Moreira, Karen Akerman, Luciana Fina, Rita Azevedo Gomes, Salomé Lamas; filmes realizados por lusitanas (ou que nos escolheram), coevas, mas com modos de olhar distintos e singulares, que usam a linguagem cinematográfica como veículo de (re)criação artística, de onde destacamos uma encomenda do Observatório de Cinema: Armindo e a Câmara Escura de Tânia Dinis, uma experiência do tempo que passou e do tempo que não passa.

Com produção contemporânea em diálogo com obras importantes da história do Cinema, releva-se o espaço para o registo e recriação ficcional da Infância e Juventude, campo de representação e interpretação, de encantamento, reflexão e estranhamento do mundo. Na prossecução do trabalho com a comunidade escolar, haverá Cinema para Escolas: Chaplin, Erice, Paulo Rocha, animação e masterclasses, para todos os graus de ensino e para professores, em articulação com os Agrupamentos de Escolas e o Plano Nacional de Cinema e com a participação do projecto CinEd, coordenado pelos Filhos dos Lumière. No diálogo com a comunidade haverá Sessões para Famílias, com filmes e workshops, espaço para juntar gerações e cruzar disciplinas e linguagens.

A cartografia do Cinema expande-se para fora da sala: uma viagem de três meses pelas fronteiras portuguesas, fora das cidades, nos campos, nas florestas, em pequenos circos, com lunáticos e acrobatas, numa exposição de fotografia de André Príncipe: O Perfume do Boi, no foyer de 14 de Outubro a 30 de Novembro; no café-concerto, no fim da noite, as paisagens sonoras dos Stooges e dos Talking Heads, pelas lentes de Jim Jarmusch e de Jonathan Demme.

Fazer, ver filmes, é ser viajante frequente: na Casa das Artes, oito dias de Cinema, com 40 sessões, incluindo ante-estreias e projecções especiais, comentadas por realizadores, jornalistas, investigadores e programadores.

Venha, o espectador curioso é passageiro privilegiado no Observatório de Famalicão. 
Programa:

dia 1, 14 de Outubro

(15h00, foyer) – Inauguração de O PERFUME DO BOI, Exposição de Fotografia de André Principe

(16h00, PA) A MULHER CANHOTA de Peter Handke [2] _ comentado por Orlando Grosseguesse

(18h00, PA) LONGE de José Oliveira + VOLTA À TERRA de João Pedro Plácido _ [1] _ comentado por José Oliveira e João Pedro Plácido

(21h30, GA) - O HOMEM DA cÂMARA DE FILMAR de Dziga Vertov

Filme-concerto pelos SENSIBLE SOCCERS (uma encomenda do CLOSE-UP)

Título original: Chelovek s kino-apparatom (Documentário/Experimental, URSS, 1929, 65 min.) M/12

(23h00, GA) O ESPECTADOR ESPANTADO (3D) de Edgar Pêra _ ante-estreia  [1] _ comentado por Edgar Pêra

(23h55, Café-concerto) Grand Fathers House com Adolfo Luxúria Canibal 

dia 2, 15 de Outubro

(15h00, PA) NOSTALGIA de Andrey Tarkovsky _  [1] _ comentado por João Catalão



(15h30, GA) KUBO E AS DUAS CORDAS de  Travis Knight_ [6] _ Com Workshop em Origami pela Casa ao Lado

(17h30, GA) AS ASAS DO DESEJO de Wim Wenders _ [2] _ comentado por Luís Miguel Oliveira

(18h00, PA) O DIA DO MEU CASAMENTO de Anabela Moreira + TERCEIRO ANDAR de Luciana Fina _ [3] _ comentado por Anabela Moreira e Luciana Fina

(21h30, GA) CALIFORNIA de Marina Person _ [4] _ comentado por Luís Miguel Oliveira

(21h45, PA) TRACES OF A DIARY de André Principe e Marco Martins _ [1]  _ comentado por André Principe e Luis Mendonça

 Dia 3, 16 de Outubro

(10h00, PA _Escolas do 3.º ciclo e secundário / 15h00, PA_ professores)

O Espírito da Colmeia de Victor Erice _ [5] _ comentado pela equipa de Os Filhos dos Lumière, inserido no projecto CinEd (inclui oficina “O Cinema por dentro”)

(18h30, PA) David Lynch: The Art Life de Jon Nguyen, Olivia Neergaard-Holm, Rick Barnes _ [2] _ comentado por Sandra Andrade

(21h45, GA) Twin Peaks: Os Últimos Sete Dias de Laura Palmer de David Lynch _ [2]
Dia 4, 17 de Outubro

TEMPOS MODERNOS de Charlie Chaplin _ [5]

(10h00, GA _Escolas do 1.º ciclo _ comentado por Carlos Natálio)

(15h00, GA_ Escolas do 2.º e 3.º ciclos _ comentado por Luísa Veloso

(18h30, PA) ELDORADO XXI de Salomé Lamas  [3] _ comentado por Salomé Lamas e Tânia Leão

(21h45, GA) PARIS, TEXAS de Wim Wenders _  [1] _ comentado por José Marmeleira 

(22h00, PA) A TRIBO de Myroslav Slaboshpytskyi _ [4] _ comentado por Carlos Alberto Carrilho



Dia 5, 18 de Outubro

A MINHA VIDA DE COURGETTE de Claude Barras _ [5]

(10h00, GA _Escolas do 1.º e 2. ciclos _ comentado por Joana Nogueira)

(15h00, GA_ Escolas do 1.º e 2.º ciclos _ comentado por Vanessa Ventura)

(18h30, PA) ASAS de Larisa Shepitko _ [2] _ comentado por Hugo Romão

(21h45, GA) AMERICAN HONEY de Andrea Arnold _ [4] _ comentado por Samuel Silva

(22h00, PA) A VINGANÇA DE UMA MULHER de Rita Azevedo Gomes _ [3] 

Dia 6, 19 de Outubro

(15h00, GA) Pronto,  Era Assim de Joana Nogueira e Patrícia Rodrigues _ Com masterclasse das realizadoras _ Escolas do 1.º e 2. ciclos  _ [5]

(18h30, PA) TU E EU de Larisa Shepitko _ [2] _ comentado por Ana Catarina Pereira

(21h45, GA) Alice nas Cidades de Wim Wenders + PENÚMBRIA de Eduardo Brito _ [1] _ comentado por Eduardo Brito 

(22h00, PA) Talvez Deserto, Talvez Universo de Karen Akerman, Miguel Seabra Lopes _ [3] _ comentado por Luisa Homem

Dia 7, 20 de Outubro

(10h00, GA) O RIO DO OURO de Paulo Rocha _ [5]

(Escolas do 3.º ciclo, secundário e audiovisual _ comentado por Isabel Ruth)

(15h00, PA) O Preço da Fama de Xavier Beauvois _ [5]  (Escolas do 3.º ciclo, secundário e francês)

(18h30, PA) AS ACACIAS de Pablo Giorgelli_ 20 de Outubro (18h30, PA) _ ante-estreia _ [1]  _comentado por Vasco Câmara 

(21h45, GA) Mulholland Drive de David Lynch _ [2] _ comentado por Vasco Câmara

(22h00, PA) CAMA DE GATO de Filipa Reis e João Miller Guerra + UM FIM DO MUNDO de Pedro Pinho _ [4] _ comentado por Ricardo Vieira Lisboa e pelos realizadores

(23h55, café-concerto) GIMME DANGER de Jim Jarmusch _ [1]


Dia 8, 21 de Outubro

(15h30, PA) Sessão Tânia Dinis _ [3] _ comentado por Tânia Dinis e Catarina Laranjeiro

em estreia ARMINDO E A CÂMARA ESCURA (uma encomenda do CLOSE-UP)

Alinhamento: Femmes (2012, 3min); Teresa (2017, 4 min); Não são favas, são feijocas (2013, 10 min); Arco da Velha (2015, 4 min); Ilha das Bananeiras (2015, 4 min); Carta para a minha amiga (2013, 3 min); Laura (2017, 10 min); Armindo e a Câmara Escura (2017, 20 min)

(16h00, GA) O MENINO E O MUNDO de Alê Abreu _ [6] _ Com Workshop O Filme que Eu Danço por Pedro Carvalho

(17h45, GA) O Amigo Americano de Wim Wenders _ [1] _ comentado por Francisco Noronha

(18h00, GA) Eis o Admirável Mundo em Rede de Werner Herzog _ [1] _ comentado por Nelson Zagalo 

(21h30, GA) - REINALDO FERREIRA – Três curtas-metragens (70 min, M/12)

Filme-concerto pelos DEAD COMBO (uma encomenda do CLOSE-UP)

(23h15, café-concerto) stop making sense de Jonathan Demme & Talking Heds_ [1] 

Secções Temáticas

[1] Tempo de Viagem

[2] Histórias do Cinema

[3] Fantasia Lusitana

[4] Infância e Juventude

[5] Cinema para Escolas


[6] Sessões para Famílias

Bilheteira Sessões
Geral: 2 euros
Cartão quadrilátero: 1 euro
Entrada livre: estudantes, seniores, associados de cineclubes

Bilheteira Filmes-concerto (Sensible Soccers / Dead Combo)
Geral: 6 euros
Cartão quadrilátero, estudantes, seniores, associados de cineclubes: 3 euros

Bilheteira Workshops Famílias
Adulto + Criança: 5 euros