quarta-feira, 28 de setembro de 2005


PARKER AND LILY (EUA)
8 Outubro sábado 23.30 café concerto
Entrada: 5 euros
www.parkerandlily.com

Em véspera de eleições autárquicas é dia de reflexão. Acto inevitável na presença do duo americano “dream pop” Parker and Lily, que passa por Portugal a 8 de Outubro, sábado, pelas 23h30, numa data única na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, inserido numa tour ibérica de oito datas com passagens asseguradas por Madrid e Barcelona.

“The Low Lows”, a mais intensa e complexa criação do duo, é simultaneamente confessional e explora o fim do seu romance de 14 anos num registo de composições inspiradas nos anos 50 com o vulto da folk, tão simples, quanto densas e complexas.

Parker Noon e Lily Wolfe são provavelmente o duo nova-iorquino mais especial do momento. Presença habitual em clubes míticos da cidade como o Knitting Factory e o CBGB, editaram nos EUA o seu primeiro álbum (“Hello Hallo”) através da Orange Recordings em 2001. Parker and Lily têm actuado desde então tanto nos EUA como fora das suas fronteiras, partilhando o palco ao lado de nomes como Interpol, Arab Strap ou Cat Power. Em Maio último estiveram em Barcelona para um concerto no Festival Primavera Sound onde marcaram presença nomes como Iggy & The Stooges, Sonic Youth, Tortoise ou Gang of Four.

A proposta musical dos Parker and Lily é totalmente envolvente e viciante. Inspirados nos anos 50, artesãos da folk e com alto conteúdo onírico, o duo mais freak de Nova Iorque recorda-nos bandas como os Galaxie 500, Tindersticks, Broadcast ou Magnetic Fields. Do ruído estridente da capital cultural ao campo e à sua vida tranquila, o colectivo nova-iorquino por excelência, abandonou a grande cidade a favor da pacifica Athens no estado da Geórgia e dali aumenta a sua alienação com a inclusão de novos músicos. Uma troca notável que se reflecte, inevitavelmente, no resultado de canções como “June Gloom” ou “Invisible Cities”, temas de instrumentação densa e complexa incluídos no seu terceiro álbum “The Low Lows”, cujo processo de gravação culminou no termino do romance de 14 anos entre Parker Noon e Lily Wolfe, mas que permitiu termos nas mãos a sua mais entusiasmante criação. Apesar da separação, continuam juntos a maior parte do ano com banda a percorrer os EUA de costa a costa e a Europa, tendo no momento um quarto álbum já em preparação para gravar.

Parker and Lily parecem não pertencer a este mundo porque são inteligentes em aplicar a sua máxima de que qualquer obra de arte é um crime não cometido, ou quem sabe porque as suas melodias para outsiders têm identidade própria. Não sabemos bem a causa, mas a sua consequência: Parker and Lily conseguiram captar a atenção da crítica e do público, um mérito que lhes pertence e deixa antever alguma expectativa com o seu terceiro álbum “The Low Lows”.

O terceiro álbum da saga de Parker and Lily, “The Low Lows”, surge num momento explosivo e conclusivo da grande e violenta relação entre ambos. Se “Here Comes Winter” poderia ser o álbum da dispersão premeditada, agora acabam numa obra majestosa e graciosa em dez temas de uma óbvia unidade temática, mas que não deixam de lado o mesmo espírito arty, surrealista, irónico e fantasmagórico do seu disco anterior, a que o imaginário cinematográfico de David Lynch ou Tim Burton não é alheio. “The Low Lows” está recheado de melodias lo-fi minimalistas mas mais sofisticadas e harmoniosas que nunca, em que Parker Noon usa a habitual tensão vocal da sua murmurante voz em convívio com as delicadas, magnéticas, inquietantes e obscuras melodias interpretadas por Lily Wolfe.

Parker and Lily regressam tão paranóicos e hipnóticos como sempre, porque as excentricidades são sempre esquisitas, e a quem os segue, acabam por ser necessárias.


:: www.parkerandlily.com
:: www.thewarmsupercomputer.com

DISCOGRAFIA ::

“The Low Lows” (2005) - Warm Electronic Recordings/Houston Party Records
“Here Comes Winter” (2002) - Manifesto
“Hello Halo” (2001) - Orange Recordings

POSTO DE ESCUTA ::

"The Low Lows" from
THE LOW LOWS,