sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Exposição de Pintura Alua & Pólen


Exposição de Pintura Alua & Pólen
De 5 a 31 de Outubro, Foyer

Titulo - IRREQUIETUDES

 Telas irrequietas

Uma vez zanguei-me com as telas de Alua Polen : - “raio de pinturas que não estão quietas!”...e desconfiei que fosse uma partida dos meus olhos, aviso de qualquer demência oftálmica que me fez estremecer de medo – na minha idade há que ter atenção a estas campainhas de alarme.
E olhei os quadros novamente, de frente, de través, de cima e de baixo, desafiando o meu aparente ar de pessoa equilibrada, perante o olhar desconfiado dos restantes visitantes das exposição, que tinham vindo ver pintura e não para me aturar os malabarismos.
Mas era verdade: as cores bailavam, as peças entrelaçavam-se, os fundos ondulavam, as matizes ora escureciam ora clareavam, e nada naquelas telas parecia fixo, estável.
E era neste quadro aqui, no outro ali, no de acolá. Uma fluidez cadenciada e lenta, que nos levava num embalo como se estivéssemos nos braços de nossa mãe, bálsamo de dores e aconchego de protecção.
Imenso mar de sentimentos, refugiando-se de infinito, cobrindo-se de coisas palpáveis, tão reais como as mãos que sentem vontade de as tocar. E se os olhos se fundem no hipnotismo do ritmo, dificilmente se resiste à tentação de sentir na ponta dos dedos os desenhos que saem da tela.
Pinturas que se mexem – nunca tinha visto. Nem alguma vez sonhei achar. Que se movimentam sem ordem definida mas em conciliação mútua, sem se chocarem umas com as outras, cada qual no seu espaço, respeitando as vizinhas, mas não abdicando da liberdade de passearem por onde querem.
E podemos estar ali horas a fio, a olhar uma pintura como se fosse um aquário de sonhos, com a mesma fluidez, a mesma dança, a mesma calma, o mesmo silêncio, a mesma paz.
E de cada vez que a olhamos, sempre nos aparece de uma forma diferente. A renovação. A ressurreição.
As telas de Alua Polen, são mesmo assim: renovam-se em cada mirada. Apagam-se na escuridão da sala escura, e ressuscitam de cada vez que acendemos a luz..
São telas diferentes, por isso e muito mais.
Mas são perigosas, também. Porque começamos por olhá-las e acabámos a falar com elas. E aí é que o caso se complica: o risco de ter pinturas no nosso rol de amigos e no seio do nosso enquadramento familiar.

Nestas circunstâncias, acho melhor não me zangar com elas.

Não podemos andar zangados com quem queremos conviver.

Chico Gouveia (Escritor e músico)

5 comentários:

Diana disse...

Belo texto! Sem dúvida que a observação é um bem muito importante para o raciocínio! Adorei!

Diana disse...

Belo texto! Sem dúvida que a observação e a sinsibilidade são coisas essências ao raciocínio e à experiência de vida. Adorei!!Que tudo corra pelo melhor!

Diana disse...

Belo texto! Sem dúvida que a observação e a sinsibilidade são coisas essências ao raciocínio e à experiência de vida. Adorei!!Que tudo corra pelo melhor!

Diana disse...

Belo texto! Sem dúvida que a observação e a sinsibilidade são coisas essências ao raciocínio e à experiência de vida. Adorei!!Que tudo corra pelo melhor!

Diana disse...

Belo texto! Sem dúvida que a observação e a sinsibilidade são coisas essências ao raciocínio e à experiência de vida. Adorei!!Que tudo corra pelo melhor!